Eu demitiria o Caio Junior

A demissão de um profissional depende, basicamente, de dois fatores: o não atingimento dos objetivos propostos e a disponibilidade de um melhor no mercado. Por esses dois critérios, eu demitiria Caio Junior se fosse diretor do Palmeiras.

Pra começar, ele não atingiu os objetivos do clube. Por mais que não tivesse nas mãos um elenco de craques, também não tinha adversário. Mesmo assim, conseguiu perder jogos que não poderia perder, principalmente o último. Não dá para perder como o Palmeiras perdeu para o Galo quando só dependia de si para jogar a Libertadores. Caio Junior, em nenhum momento, teve o que se convenciona chamar de “grupo nas mãos”, e isso é indispensável para um técnico de ponta.

Se, entretanto, as opções fossem Nelsinho, Celso Roth e por aí vai, era melhor insistir com Caio Junior. Só que, até informação em contrário, Mano Menezes está disponível. E este fez no Grêmio tudo o que Caio Junior não fez no Palmeiras. Ainda que, neste ano, tenha terminado o Brasileiro atrás do colega.

Isto dito: tanto Palmeiras como Botafogo não estão ainda prontos para disputar a Libertadores. Não que o Cruzeiro seja uma máquina, mas tem uma estrutura que, de um jeito ou de outro, pode montar um time competitivo. Isso, hoje, não acontece nem com Botafogo, que poderia disputar a competição se tivesse tido cabeça fria depois do desastre da Sul-Americana, nem com o Palmeiras.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo