Escrevendo um bom começo

O destaque da primeira rodada da fase de grupos da Liga dos Campeões foi não uma equipe, mas um jogador. Até aí, nada demais. A questão é que, por melhor que ele tivesse ido em 2008/09, sendo artilheiro da Bundesliga e quase ganhando a Chuteira de Ouro na Europa, poucos esperavam que ele fosse começar de modo tão avassalador na LC.

E começou. Com seus três gols marcados, Grafite deu ao Wolfsburg a vitória contra o CSKA Moscou – e a liderança provisória da chave B, já que o Manchester United só conseguiu superar o Besiktas a duras penas, fazendo 1 a 0 com Scholes. Por mais que Dzagoev tenha conseguido marcar para o Exército Vermelho, o ex-jogador são-paulino inicia a temporada europeia tão bem como encerrou a passada.

Se é difícil imaginar que Dunga o inclua na Seleção Brasileira que vai à Copa de 2010 (o técnico já está com grande parte do grupo formado, e tem por hábito ser bastante cauteloso quanto à inclusão duradoura de novos atletas), Grafite está fazendo de tudo para que o já grande clamor por sua presença seja ainda mais aumentado.

Com relação aos outros grupos, os clubes menores até conseguiram causar dificuldades aos grandes. Entretanto, só um deles obteve sucesso na tentativa de contrariar as expectativas. E foi o APOEL: a equipe cipriota segurou o ótimo ataque do Atlético de Madrid, em pleno Vicente Calderón, para levar um ponto na bagagem. O Maccabi Haifa deteve o Bayern de Munique durante todo o primeiro tempo, mas o gol de Daniel van Buyten desarmou os israelenses, presas fáceis para o bom desempenho de Thomas Muller, que “se deu” um presente de aniversário atrasado (fez 20 anos no domingo), ao marcar dois gols.

Contra o Zürich, o Real Madrid começou bem a ponto de fazer crer numa fácil goleada. Entendendo-se à perfeição, o ataque formado por Raúl e Higuaín ainda contou com performances razoáveis de Kaká e Cristiano Ronaldo (e com as falhas do goleiro Leoni, diga-se) para abrir 3 a 0, nos 45 minutos iniciais. Mas a reação do Züri, com dois gols em dois minutos, deixou o clima de tensão alto, e lembrou aos Merengues os tempos em que a fragilidade da defesa punha tudo a perder. Porém, os anfitriões cansaram, no fim, Leoni falhou novamente, Guti marcou belo gol e a goleada esperada veio.

E houve mais: Inzaghi provando sua utilidade persistente, ao marcar os dois gols do Milan no 2 a 1 sobre o Olympique, fora de casa; a Juventus bobeando, ao permitir o empate do Bordeaux em pleno Olímpico de Turim. O Chelsea penando para marcar contra um sempre bem postado Porto, mas conseguindo a vitória simples com Nicolas Anelka.

Houve mais, assim como haverá mais amanhã. A Liga dos Campeões voltou.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo