Entrevista com jornalista russo: “CSKA faz de tudo para o Vagner Love”

Conheci o Grigory Telingater, jornalista do Sport-Express, maior diário esportivo da Rússia, há alguns anos. Desde então temos trocado muitas informações sobre o futebol jogado lá e cá. Fiz uma pequena entrevista com ele para mostrar um pouco a opinião da imprensa russa sobre os brasileiros que jogam no Russão, além de outras questões como o novo rico Anzhi e os problemas com racismo. Ele inclusive fala português, para lidar bem com nossos conterrâneos.

Qual é a impressão que os russos têm sobre os jogadores brasileiros?
Na Rússia achamos que os jogadores brasileiros são alegres. Possivelmente, por causa do sol no Brasil! Esse é o estilo deles no futebol e fora de campo também. Quando os brasileiros jogam, eles preferem tocar mais a bola do que os outros. O nível deles é bom. Muitos dos brasileiros são líderes em seus times, como Vagner Love (CSKA), Welliton (Spartak), Kuraniy (Dynamo), Guilherme (Lokomotiv) e Joãozinho (Krasnodar). Fora de campo os brasileiros são educados. Alguns mais, outros menos. Acho que o mais agradável foi o Alex, com sua maneira de falar, rir, sorrir. Por favor, cuide bem do Alex, ele é um cara legal!

Acha que o Campeonato Russo deveria diminuir o número de jogadores estrangeiros por time?
Estou de acordo com você, Gustavo! Mas por exemplo: o técnico do Spartak, Valeriy Karpin, disse: “Eu não gosto de limite para estrangeiros [no campo não podem ficar menos do que cinco russos durante o jogo]. É normal se no elenco ficarem 11 estrangeiros”. Hoje nós temos cerca de 55% de russos e 45% de estrangeiros.

Hoje, qual é o melhor brasileiro atuando na Rússia na sua opinião e por quê?
Kuraniy e Vagner Love sao excelentes. Quando você vê a movimentação deles, percebe que podem fazer no campo coisas incríveis. Mas eles são artileiros e não marcam muitos gols. Nosso campeonato tem o Welliton também. Ele não é tão incrível, mas foi o artileiro nas duas últimas temporadas. No campeonato de 2009 anotou 21 gols e em 2010 outros 19. É um resultado muito bom, porque nós temos só 16 clubes e então 30 rodadas.

Sobre o Vagner Love, não ficou um clima ruim para ele no CSKA após as passagens dele por Palmeiras e Flamengo e o desejo declarado dele em permanecer no Brasil?
Penso que o CSKA tenta fazer de tudo para o Vagner querer jogar na Rússia. Mas acho que ele não está muito bem neste ano. Não sei como ficou o clima no CSKA depois de ele ter declarado que quer jogar no Brasil, mas certamente ele pode deixar o clima ruim. Isso é sempre um problema, quando você tem um craque que não quer ficar lá.

E os brasileiros do Anzhi, o que você pode falar sobre cada um deles?
João Carlos: muito legal. Já fiz uma entrevista com ele e o achei muito agradável, além de ser bom jogador. Diego Tardelli e Jucilei igual, mas são jogadores que foram da Seleção, então precisam fazer mais. O volante jogou pouco, só oito partidas. O atacante disputou 13 jogos, mas ainda não fez gol. O Jucilei também nao fez, mas ele é mais jogador de defesa e meio-campo. Sobre o Roberto Carlos, ele é muito amável, faz 9999 fotos por dia com torcedores, atrai muita gente e é um atrativo comercial para o Anzhi e o futebol russo.

Ainda sobre o Anzhi: há uma torcida contra na Rússia pelo fato desse clube ter se tornado um novo rico, uma espécie de novo Chelsea?
A maioria dos torcedores russos não gosta dos clubes do Cáucaso. Não porque um dos clubes tem muito dinheiro, mas porque é uma região com grandes problemas de segurança. Além disso, há também o problema dos jogos manipulados, o que não é um problema só do Cáucaso… Torcedores do Spartak, CSKA, Lokomotiv e Zenit declararam que não vão viajar para os jogos do seu clube nesta região perigosa. E mais: no verão, durante a disputa da Copa, os torcedores do Cáucaso foram muito insultados. Você pode perceber o clima pesado em partidas como Spartak x Anzhi. Há muita agressividade. Sobre o Anzhi como segundo Chelsea… Não posso aceitar transferências como a de Eto'o e Roberto Carlos, quando a pobre região nao tem boas estradas, aquecimento nas casas, bons hospitais e salários dignos. Sim, já nos foi dito sobre a caridade que pratica o Anzhi, como o Barcelona tem a Unicef. Isso é muito bom se for verdade, mas não estou seguro sobre as atitudes do Anzhi. Há muita conversa sobre o clube e jogos manipulados.

Para você, quem é o favorito ao título no atual Campeonato Russo?
Sem dúvida, CSKA e Zenit. O futebol deles é mais bonito. Mas nas últimas rodadas o Dynamo vem bem e é uma boa aposta.

E a seleção russa, o que esperar do time comandado por Dick Advocaat?
Todos torcedores criticam muito nossa seleção, e isso não é de hoje. Por exemplo: quando a equipe russa foi eliminada nas eliminatórias para a Copa de 2010, ouviu muitas críticas. Foi uma tragédia. Agora a Rússia tem uma ótima oportunidade de se clasificar para a Euro-2012, mas os torcedores estão com medo.

Costumo dizer que a derrota para a Eslovênia nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010 foi um acidente para a seleção russa que custou anos de desenvolvimento do futebol no país, principalmente por causa da saída de Guus Hiddink. Afinal, o time era muito bom e atravessava uma boa fase. Concorda com essa análise?
Não e sim. É verdade que a derrota para a Eslovênia influenciou no desenvolvimento. A melhor fase dessa geração foi quando nossa seleção jogou contra a Holanda na Euro de 2008 nas quartas de final. Agora temos feito jogos muito bons e outros ruins. Mas não acho que haja muitos problemas relativos à saída de Guus Hiddink. Sim, ele foi muito bom. A medalha de bronze na Euro-2008 foi mérito dele. Mas a Rússia tem problemas com o desenvolvimento não por causa da saída de Hiddink, e sim por não termos jogado a Copa de 2010. Foi culpa dos jogadores e do Hiddink também.

No Brasil os casos de racismo no futebol russo tiveram uma repercussão muito grande, e a sensação que se tem aqui é que é algo normal no país, e por isso não é combatido. Qual é a sua opinião sobre isso?
Isso é muito desagradável. Sim, atos de racismo acontecem regularmente. Não só no futebol, não só com n negros – com caucasianos, por exemplo, também. Isso é um problema de todo país. Acho que tudo começa quando as pessoas às vezes pensam que estão fazendo brincadeiras engraçadas. Posso imaginar o número de ótimos jogadores negros do Brasil e de outros países que recusam ofertas de clubes russos, depois do que fizeram alguns idiotas no caso com o Roberto Carlos e uma banana. Mas eu posso afirmar que a maioria dos russos são pessoas normais.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo