Sem categoria

Ele e mais dez: os jogadores mais efetivos da Europa

Quando o assunto é bola na rede, ninguém discute em território europeu com Lionel Messi e Cristiano Ronaldo. Com médias próximas a um gol por jogo, os dois melhores jogadores do mundo aparecem com sobras diante da concorrência. São 58 tentos do blaugrana, contra 47 do merengue. Nas seis principais ligas do continente, apenas outros três atletas possuem mais de 30 gols na temporada – Klaas-Jan Huntelaar, Mario Gómez e Robin van Persie.

No entanto, há outros jogadores mais imprescindíveis aos seus clubes que Messi e Cristiano Ronaldo. Duvida? Somamos os gols e as assistências anotados em toda a temporada pelos clube da primeira divisão do Campeonato Alemão, Espanhol, Francês, Inglês, Italiano e Português. A partir desses dados, consideramos a participação direta de cada atleta nos tentos de sua equipe. Messi, por exemplo, tem 58 gols e 31 assistências, 56,6% do total das bolas na rede do Barcelona em 2011/12, seja na Liga, Copa do Rei, Champions, Supercopa ou Mundial.

Feito isto, dá para concluir que ninguém pode se gabar mais no quesito que Lukas Podolski e Antonio Di Natale. Os dois atacantes são verdadeiros reis em Colônia e Udine. O alemão participa de nada menos que em 25 dos 39 gols do Köln, enquanto o italiano se fez presente em 33 dos 53 tentos da Udinese. São os únicos jogadores nas seis grandes ligas a registrarem mais de 60% de participação nos gols de suas equipes.

Em geral, a média de participação do atleta mais efetivo varia entre 25% e 40% dos gols de cada clube. E, além de Podolski e Di Natale, outros 11 jogadores podem dizer que são “insubstituíveis”, responsáveis por mais da metade dos gols de suas equipes. Um grupo seleto que conta com Messi, Ibrahimovic e van Persie.

Espanha: Messi maior que Cristiano Ronaldo

Apesar de não ser tão óbvio assim, Lionel Messi é o jogador mais imprescindível entre os clubes espanhóis. Participou de 89 gols ao longo da temporada, marca superada por apenas sete clubes entre os seis países pesquisados. É o goleador do Barcelona e também o melhor passador blaugrana, com mais que o dobro de assistências de Xavi (31 contra 14). Em seu encalço dentro do clube está Cesc Fàbregas, com 22,2%.

Mesmo insaciável por gols, Cristiano Ronaldo ostenta números um pouco mais contidos no Real Madrid. São respeitáveis 61 tentos, mas que, somados a 14 assistências, lhe dão a marca de 40,6% de efetividade. Karim Benzema (30%) e Gonzalo Higuaín (22,6%) dividem bem as responsabilidades com o português. Já Mesut Özil, segundo melhor passador da Europa na temporada, atrás apenas de Messi, se encarrega de 18,6% gols merengues.

Nos outros clubes espanhóis, a maior porcentagem é de Falcao García (40,7%) no Atlético de Madrid, número só brecado pelas modestas quatro assistências do colombiano. A situação é parecida com a de Roberto Soldado (36,2%) no Valencia e Fernando Llorente (33,7%) no Athletic Bilbao, especialistas apenas na arte do gol. Já em Sevilla e Málaga, os destaques são os garçons Jesús Navas (34,8%) e Santi Cazorla (34,8%) – este empatado com José Salomón Rondón.

Inglaterra: Um monopólio e 19 sociedades

A importância de Robin van Persie ao Arsenal ganha valor quando sua efetividade é comparada com os outros clubes ingleses. O holandês é o maior goleador (33) e o líder em assistências (12) do time, o que resulta uma participação em 53,5% das jogadas decisivas, seguido de longe nos Gunners por Theo Walcott (26,1%). Quem mais se aproxima no restante da Premier League é Clint Dempsey, com 38,2% de importância nas atividades do Fulham.

Na Inglaterra, aliás, nada menos que 15 clubes possuem suas marcas entre os 30% e 40%. Abaixo disso, o único dos grandes a aparecer é o Chelsea, onde Juan Mata reina com 26,9% de participação. O espanhol, porém, só possui marca expressiva por conta de sua regularidade. O artilheiro dos Blues é Lampard (23,5%), com 14 tentos, e Fernando Torres (24,7%) é o melhor passador, com 15 assistências – não fossem os cinco meses sem gols, o atacante poderia facilmente tomar o título de Mata para si.

Um dos seis clubes europeus a ultrapassar a marca centenária de gols na temporada, o Manchester United é dominado por Wayne Rooney, artilheiro do time e efetivo em 35,5% dos gols. Os Red Devils ainda contam com um segundo pelotão, representado por Nani, Valencia, Giggs e Welbeck. Também com mais de cem gols, o Manchester City tem em Sergio Agüero (30,8%) o seu jogador mais participativo, seguido de perto por Dzeko (25,2%) e David Silva (24,2%). Gareth Bale (32,5%) lidera o Tottenham graças ao alto número de assistências, com porcentagem idêntica à de Luis Suárez no Liverpool.

Itália: Terra de reis

Entre os países analisados, a Itália é aquela com o território mais bem demarcado por seus craques. Dos 20 clubes, nada menos que sete possuem alguém que se responsabilize por mais da metade de seus gols. Di Natale é imbatível no assunto, sendo o goleador da Udinese e tendo apenas duas assistências a menos que Pablo Armero, o melhor passador dos bianconeri. Puxando a fila, alguns jogadores de clubes menores, como Sebastian Giovinco (54,7%), Fabrízio Miccoli (50,9%) e Germán Denis (52,7%). Também merecem menção Stevan Jovetic (50%) e Rodrigo Palacio (48,9%), estrelas solitárias nas fracas campanhas de Fiorentina e Genoa.

Nos principais clubes do país, Ibrahimovic é o destaque absoluto do Milan, com 29 gols e 14 assistências – presente em exatos 50% dos tentos rossoneri. Robinho é o segundo da lista no clube, com 24,4%. No Napoli, Edinson Cavani é responsável por 46,6% das jogadas, muito mais por seu faro de artilheiro do que por seu espírito de garçom. Os outros tenores dos partenopei, Ezequiel Lavezzi e Marek Hamsik, sustentam 30,6% e 24%, respectivamente. E nem a má fase nesta temporada tira Diego Milito do trono na Internazionale, com 41% de efetividade, bem à frente de Giampaolo Pazzini (25%), o vice-líder.

Curiosamente, a Juventus é o segundo time italiano onde os gols são mais distribuídos, o que pode ser explicado pela alta rotatividade no ataque. Alessandro Matri (22,4%) é o artilheiro, enquanto Andrea Pirlo (20,6%) é o melhor passador. Porém, o principal jogador vem sendo Mirko Vucinic, com 27,5% no quesito. A Roma é a única que possui números inferiores, onde Francesco Totti e Pablo Osvaldo dividem o primeiro posto, com 27,4%. E, do outro lado da capital, o ritmo da Lazio é ditado por Miroslav Klose (40%) e Hernanes (24,6%).

Alemanha: Os matadores e seus escudeiros

Entre os alemães, a regra entre as principais equipes é contar com alguém que assuma maior fatia de gols, embora sempre haja quem dê retaguarda. Assim acontece no Bayern Munique, onde Mario Gómez é a principal referência do ataque, somando 40% de participação – sendo 37 gols e cinco assistências. Terceiro maior garçom da Europa, Franck Ribéry (34,2%) aparece na cola, enquanto Arjen Robben (22,8%) poderia estar muito melhor, não fossem as seguidas lesões.

Caso parecido aparece no Borussia Dortmund, onde Robert Lewandowski (40,5%) é resguardado por Shinji Kagawa (31,6%). Já o Schalke 04, mesmo com Raúl (25,9%) no elenco, vê Klaas-Jan Huntelaar (51,9%) destoar graças aos 41 gols e às 13 assistências, líder em ambos os quesitos.

Contudo, nada que se iguale ao poder de Lukas Podolski (64,1%), beneficiado pelo baixo número de gols marcados pelo Köln na temporada, 39 no total. São 17 tentos e oito assistências, que elevam os temores da torcida sobre a venda do atacante. Outros que estendem seus reinados na Bundesliga são Marco Reus (59,11%), do Borussia Mönchengladbach, e Claudio Pizarro (57,1%), do Werder Bremen.

França: Privilégio dos candidatos ao título

Um fenômeno interessante acontece entre os clubes franceses. Justamente os primeiros colocados na Ligue 1 são os que possuem os jogadores mais dominantes. Ninguém supera Olivier Giroud, do líder Montpellier. Goleador e melhor passador do time, o atacante aparece em 47,6% dos tentos. Logo atrás vem Eden Hazard, em situação bastante parecida. Suas impressionantes 20 assistências o alavancam a 46,7%.

Na mesma toada, aparecem Pierre-Emerick Aubameyang (45,2%), no Saint-Étienne, e Nenê (42,5%), no Paris Saint-Germain. A única exceção entre os jogadores mais participativos justamente vem do lanterna Auxerre, com Dennis Oliech (40%). Já no Lyon, a situação é mais dividida, com Bafétimbi Gomis (31,2%) se sobressaindo graças apenas aos gols marcados.

Portugal: Responsabilidades compartilhadas

Nenhum dos seis países, porém, possui maior distribuição de gols que Portugal. Entre os três grandes do país, Hulk é aquele que possui um papel ligeiramente mais destacado, presente em 34,5% das jogadas de gol do Porto. O Benfica é protagonizado por Óscar Cardozo (33,3%), enquanto Ricky van Wolfswinkel (27,7%) é o melhor colocado no ranking do Sporting. Um pouco acima dos demais, apenas o atacante Lima (39,2%), do Braga.

E dos clubes portugueses vem também o maior exemplo de divisão de gols. Com dois jogadores ocupando o posto de artilheiro e outros três o de melhor passador, o Vitória de Setúbal é onde as responsabilidades são mais compartilhadas. João Silva, jogador mais efetivo da equipe, toma conta de apenas 20,6% dos gols dos sadinos.

Os 20 jogadores mais imprescindíveis*:

– 64,1%: Lukas Podolski (Köln) – 17 gols e 25 assistências
– 62,2%: Antonio Di Natale (Udinese) – 25 gols e 8 assistências
– 59,1%: Marco Reus (Borussia Mönchengladbach) – 18 gols e 11 assistências
–  57,1%: Claudio Pizarro (Werder Bremen) – 16 gols e 8 assistências
– 56,6%: Lionel Messi (Barcelona) – 58 gols e 31 assistências
– 54,7%: Sebastian Giovinco (Parma) – 11 gols e 12 assistências
– 53,5%: Robin van Persie (Arsenal) – 33 gols e 12 assistências
– 52,7%: Germán Denis (Atalanta) – 15 gols e 4 assistências
– 51,9%: Klaas-Jan Huntelaar (Schalke 04) – 41 gols e 13 assistências
– 51,2%: Gastón Ramírez (Bologna) – 10 gols e 10 assistências
– 50,9%: Fabrízio Miccoli (Palermo) – 13 gols e 13 assistências
– 50%: Zlatan Ibrahimovic (Milan) – 29 gols e 14 assistências
– 50%: Stevan Jovetic (Fiorentina) – 12 gols e 5 assistências
– 48,9%: Rodrigo Palacio (Genoa) – 18 gols e 6 assistências
– 47,6%: Olivier Giroud (Montpellier) – 22 gols e 8 assistências
– 46,7%: Eden Hazard (Lille) – 16 gols e 20 assistências
– 46,6%: Edinson Cavani (Napoli) – 28 gols e 7 assistências
– 45,2%: Pierre-Emerick Aubameyang (Saint-Étienne) – 13 gols e 6 assistências
– 42,8%: Mario Mandzukic (Wolfsburg) – 11 gols e 7 assistências
– 42,5%: Nenê (Paris Saint-Germain) – 19 gols e 15 assistências

* Dados compilados até 04/04/2012

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo