Diego Perotti: aos 45 do segundo tempo

Que muitos olhos já se enchiam sobre o menino argentino, que vestia a camisa do clube andaluz, isso já se sabia. Mas que muitos outros olhares se voltariam ao meia-atacante de 20 anos nas rodadas finais do Campeonato Espanhol, é algo que não se esperava.

Aos 45 minutos do segundo tempo da partida contra o Deportivo La Coruña, pela 37ª rodada da Liga, Diego Perotti dá ao Sevilla a glória de um suado terceiro lugar, com um belo gol – seu primeiro defendendo os rojiblancos – que garantiria à equipe vaga para Liga dos Campeões da próxima temporada.

Da terceira argentina, para segunda espanhola

De Morenos, província de Buenos Aires, o novo talento atropelou etapas do processo da evolução na carreira futebolística, e despontou em pouco tempo na Europa. Fillho do ex-atacante do Boca Juniors, Hugo Osmar Perotti, campeão argentino ao lado de Maradona em 1981, o garoto de 20 anos não hesitou em seguir os passos do pai, e procurou fazer carreira nos gramados.

Como muitos jovens porteños, a vaga que almejou foi nos Xeneizes, que não foram favoráveis ao rapaz, por ser considerado muito “baixo” (1,72 m) e “fraco”. Acabou caindo no pequeno clube da terceira divisão argentina, Deportivo Morón. Suas habilidades não passoaram batidas pelos olheiros europeus e, após duas temporadas, entre 2006 e 2007, na equipe, foi escolhido para juntar-se ao Sevilla Atlético, filial do tradicional time andaluz.

Já sua experiência de seleção não é dos seus pontos mais positivos. Foi deixado de lado na convocação argentina para o Mundial Sub-20 de 2007, em preferência por colegas com mais experiência.

Mas, no time B do clube espanhol, a comissão técnica trabalhou as falhas de base do jogador, que não foram corrigidas em seu período na Argentina, dando-lhe o condicionamento necessário para que não fosse mais “fraco demais” para uma equipe de ponta. A união de seu talento com a correção de seus eventuais pontos fracos no Sevilla Atlético, com muita dedicação e oportunismo, em árduo trabalho de dois anos, renderam os tão esperados frutos. A segunda divisão acabou ficando pequena demais para Perotti.

Toque de bola e agrado do treinador

A bola parecia ser conquistada pelos pés do garoto de tal maneira que suas atuações foram notadas pelo técnico Manolo Jiménez, que, buscando rejuvenecer o seu elenco, e sofrendo com lesões em sua equipe, aproveitou para trazer Perotti à série principal.

O argentino fez por merecer a chance dada, e não se tornou mais um dos jovens promovidos da filial que, após duas apagadas atuações, voltaria um passo atrás, à equipe da série B do time andaluz. Apesar de não ser o mais rápido, suas investidas confiantes e com elegância pelos flancos intimida os adversários, e permitem uma maior mobilidade do jogador para realizar os cruzamentos que, eventualmente, são convertido pelos colegas para as redes adversárias.

A tarefa foi feita com categoria por “Monito”. Sua primeira convocação foi contra o Espanyol, vitória por 2 a 0, dia 15 de fevereiro de 2009, em partida que o próprio atleta descreveu como “a realização de um sonho”. No jogo seguinte, vitória por 1 a 0 sobre o Atlético de Madrid, foi o marco para que Perotti fosse opção recorrente do treinador para sair do banco e reaquecer a equipe nas segundas etapas dos confrontos.

Sua preferência como reserva gerou questionamentos, já que o até então jogador chave para entrar e dar energia ao time, especialmente no flanco esquerdo, era Diego Capel. Com o destaque do argentino, o brilho do colega acabou diminuído. Apesar de mais veloz e de maior habilidade nos dribles do que Perotti, Capel perde na habilidade de toque de bola de Monito, além da boa fase que vive o jogador.

Apesar de ter marcado apenas uma vez pelo Sevilla, o jovem provou-se muito bom para dar as assistências aos colegas, tendo lançando a bola para que Kanouté marcasse, no empate contra o Málaga, em março, além de ter feito o cruzamento que Renato cabeceou à para as redes, na cara de Casillas, na derrota por 4 a 2 contra o Real Madrid, em abril.

O versátil garoto agradou tanto, que já teve seu acordo com o Sevilla renovado por cinco anos, válido agora até 2014.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo