Conheça a chuteira que ajudou a transformar a Nike em uma gigante do futebol

Em 1994, a Copa do Mundo teve uma final com duas das maiores potências do mundo do futebol. Itália e Brasil fizeram a final em Los Angeles, sob um calor escaldante e entraram para a história como a primeira decisão de título mundial que foi para os pênaltis. Àquela altura, a Nike, uma gigante do material esportivo mundial, mirava entrar para o esporte onde ela ainda não tão grande: o futebol. Naquela final, no dia 17 de julho de 1994, oito dos 22 atletas que entraram em campo pelo Brasil e Itália vestiam a Nike Tiempo. Uma chuteira que se tornaria um clássico da marca e que ganha uma nova versão em 2015, mais de 20 anos depois do lançamento do seu primeiro modelo, e que mudou toda a história da empresa.

ESPECIAL: Por que a camisa do seu clube custa tão caro

Foi a partir dali que a marca cresceu e se tornou uma gigante também no futebol. Agora, 21 anos depois, a Nike lança mais um modelo da linha Tiempo, a única que nunca deixou de ser fabricada pela empresa. A Tiempo Legend 6 é uma viagem no tempo, mas promete conforto e desempenho sem perder o estilo clássico que a caracterizou. A Tiempo marcou época como uma mudança na história da Nike, que já tinha se aventurado no futebol antes, sem ter o mesmo sucesso. E tudo tem a ver com aqueles momentos dramáticos que culminaram em Dunga levantando a taça, aos xingamentos, e o Brasil ganhando o quarto título mundial.

Nike Tiempo Premier, em 1994: usada por 8 dos 22 jogadores da final da Copa de 1994
Nike Tiempo Premier, em 1994: usada por 8 dos 22 jogadores da final da Copa de 1994

“A viagem da Nike pelo mundo do futebol começa em 1971, com o lançamento da chuteira ‘The Nike’ – primeiro calçado a trazer o lendário logotipo da marca, conhecido como Swoosh. O tênis custava US$ 16,95, não era muito resistente a climas frios e úmidos, e logo foi jogado pra escanteio enquanto a empresa se concentrava em calçados para corrida, tênis e basquete”, nos conta Nuno Silva, Gerente Geral de Futebol da Nike no Brasil. Depois da primeira experiência, a empresa tentou novamente, com mais pesquisa e contato com atletas. O trabalho com futebol na Nike, no final da década de 1970, ainda era rudimentar, trabalhando com atletas e pesquisando. Mas a Copa de 1994, e a Tiempo, marcam a entrada da empresa com força em um mercado que já era milionário naquela época.

A entrada da Nike no futebol já tinha vindo com a seleção americana feminina e masculina, mas a marca queria mais. E ali, em 1994, com a Copa do Mundo nos Estados Unidos e o Brasil sendo tetracampeão, a estratégia estava traçada: patrocinar o Brasil.

Nike Tiempo Premier, em 1994
Nike Tiempo Premier, em 1994

E isso aconteceria em 1996, quando a empresa assinou contrato com a CBF e passou a vestir a seleção brasileira. Ao assinar com o Brasil, Phil Knight, executivo que fundou a Nike, explicou a escolha: “Nós só iremos verdadeiramente entender futebol quando nós olharmos para o jogo pelos olhos dos brasileiros”.

Além dos atletas, a marca agora tinha a seleção campeã do mundo. Mais: tinha o grande craque do mundo naquele momento, Ronaldo. As chuteiras dos jogadores na final da Copa de 1994 ajudaram a popularizar um modelo que se tornou clássico. E, não por acaso, continua presente, mesmo com uma tendência grande a variações – no design e nas cores. A Tiempo se tornou um marco.

“Uma série de craques já fizeram história dentro de campo com a Tiempo. Ronaldinho Gaúcho, por exemplo, teve uma Tiempo como parte de sua coleção assinada R10. Hoje jogam com essa chuteira nomes como Alexandre Pato, Alan Kardec, Jefferson, Jerome Boateng, Hugo Lloris, Sergio Ramos, Gerard Pique, Laurent Koscielny, Dani Carvajal, Raphaël Varane”, nos conta Nuno Silva.

Quando a Mercurial foi lançada, em 1998, baseada no então melhor jogador do mundo, Ronaldo, a Nike já tinha um outro patamar dentro do mundo do futebol. O salto já tinha sido dado. Diversos modelos de chuteiras vieram desde então, com tecnologias das mais diversas. O mundo, e o mercado, mudaram muito desde 1994. A Tiempo foi reformulada algumas vezes, com modelos como em 2006, 2010 e 2013.

“O estilo clássico da Nike Tiempo talvez seja o motivo de sucesso da chuteira. Em um mundo cheio de opções coloridas e cheias de mudanças, há quem goste do clássico: uma chuteira com design clássico, cores mais simples e com algo que acompanha esse modelo de chuteira desde o início: o acolchoado nos dedos, o que dá conforto a quem usa. Este, aliás, é um dos motivos apontados pela própria Nike para o sucesso dessa série”, diz Nuno Silva.

nike_elite_tiempo_2010

Falamos com Nuno Silva, Gerente Geral de Futebol da Nike no Brasil e conversamos sobre o lançamento de um clássico da Nike, sobre o mercado de material esportivo e como são feitas as chuteiras da marca. Confira:

Trivela: A Tiempo é uma chuteira que marcou época, mas foi concebida em um momento que a Nike não tinha grande atuação no futebol. Como foi o desenvolvimento dela?

Nuno Silva: A viagem da Nike pelo mundo do futebol começa em 1971, com o lançamento da chuteira “The Nike” – primeiro calçado a trazer o lendário logotipo da marca, conhecido como Swoosh. O tênis custava US$ 16,95, não era muito resistente a climas frios e úmidos, e logo foi jogado pra escanteio enquanto a empresa se concentrava em calçados para corrida, tênis e basquete. Ao longo das décadas seguintes, no contato próximo com atletas e por meio de pesquisas e testes, a Nike foi aprendendo a criar produtos de futebol que superassem expectativas e ajudassem jogadores de todo o mundo a elevar o nível do jogo. Nesse período, houve momentos fundamentais que ajudaram a criar uma nova era de genialidade no futebol. Em 1978 a Nike entra no mundo do futebol da mesma maneira com que Phil Knight construiu seu negócio de corrida: no quintal da empresa, trabalhando em estreita parceria com os atletas. Na grande final de 1994, realizada na Califórnia, oito dos 22 jogadores da Seleção Brasileira usam chuteiras Nike Tiempo Premier.

Hoje temos ao menos três tipos de chuteiras diferentes: as de futsal, de futebol society e de campo. O que muda no desenvolvimento de cada uma, já que muitas delas são lançadas para todos os pisos?

A Nike FutebolX alia o melhor da tecnologia Nike para chuteiras de campo a elementos de design adequados aos jogos em espaços menores. Conversamos com jogadores que praticam o esporte nessas condições, em diferentes partes do mundo. Eles buscam os mesmos benefícios de performance oferecidos pelas chuteiras de campo como Magista, Mercurial, Hypervenom e Tiempo, mas querem solados e cores exclusivos para as condições específicas do seu tipo de jogo. A Nike FutebolX traz a tecnologia Nike Grind, criada para áreas de alta abrasão e arrasto – o que garante maior durabilidade. Os modelos também contam com amortecimento para proteção dos pés contra o impacto em superfícies mais duras.

Quais são as principais matérias-primas para fabricar uma chuteira?

Na Tiempo, usamos couro no cabedal combinado com material sintético, que se ajusta  ao formato do pé para maior conforto. Já a Magista e a Hypervenom II possuem um cabedal de peça única em Flyknit com cabos integrados de Flywire para um ajuste superior e suporte dinâmico. Enquanto o solado é produzido em nylon PEBAX, que oferece resposta e suporte através de um movimento natural. E a Mercurial Superfly também é feita com um cabedal de peça única em Flyknit com cabos integrados de Flywire para um ajuste superior e suporte dinâmico. Já seu solado ultra-leve é desenvolvido em fibra de carbono para maior resposta na tração.

Quais foram os principais atletas que usaram a Tiempo ao longo da história?

Uma série de craques já fizeram história dentro de campo com a Tiempo. Ronaldinho Gaúcho, por exemplo, teve uma Tiempo como parte de sua coleção assinada R10. Hoje jogam com essa chuteira nomes como Alexandre Pato, Alan Kardec, Jefferson, Jerome Boateng, Hugo Lloris, Sergio Ramos, Gerard Pique, Laurent Koscielny, Dani Carvajal, Raphaël Varane.

Uma das tendências em termos de chuteira é que elas ficaram mais leves ao longo do tempo. Esse foi um pedido dos jogadores ou foi um desenvolvimento natural da tecnologia?

A Nike sempre escuta a voz dos atletas em primeiro lugar. Por exemplo, depois de lançar a Nike Tiempo Premier, em 1994, e estabelecer uma parceria com a Seleção Brasileira, em 1996, a Nike decidiu criar uma chuteira digna da equipe mais vitoriosa do mundo – mais especificamente, inspirada no melhor jogador daquele período: Ronaldo. Ele sempre foi paciente dentro de campo, à espera do momento certo. Até que via sua oportunidade e dava o bote com velocidade e explosão em direção ao gol. Ou seja, ele era um “Mercurial”, capaz de ter alterações inesperadas nas quatro linhas.

Foi por isso que os designers da Nike se inspiraram nas pistas de atletismo para criar sua chuteira. Inicialmente, havia uma trava feita para as pistas, aliada ao cabedal da Nike Tiempo, com o objetivo de alcançar uma redução de peso sem precedentes numa chuteira. O material sintético KNG-100 passou a ser utilizado, além da espessura da placa ter sido reduzida de 3 mm para 1,75mm.

Essa busca dos atletas por leveza e velocidade continua até hoje.

Quem participa da criação das chuteiras? Qual é o papel dos jogadores nesse aspecto, considerando que é preciso ter uma chuteira de alto desempenho para os atletas profissionais, mas também um produto durável para o atleta amador de fim de semana?

Além de uma equipe de altíssimo nível de designers da Nike, todo o processo de criação na Nike começa com o atleta, entendendo o perfil dos jogadores e a sua maneira de jogar. Craques brasileiros como Neymar, por exemplo, têm papel fundamental no desenvolvimento das nossas inovações para futebol. Além disso, realizamos testes de amostras e protótipos com jogadores de futebol de todos os níveis, desde garotos brasileiros que geralmente jogam nas ruas ou nas quadras de suas respectivas escolas, até atletas profissionais que atuam nos principais clubes do mundo.

Atualmente é muito comum chuteiras coloridas e com design espalhafatoso, muitas vezes por pedido dos próprios jogadores. A Tiempo, porém, sempre se caracterizou por um design mais clássico. Essa onda de “chuteira preta”, com um toque de nostalgia, ajuda ou atrapalha para fabricar novas chuteiras?

A Nike foi a primeira marca a trazer diferentes cores para os gramados, como por exemplo, a Mercurial Vapor prateada usada pelo Ronaldo Fenômeno. Lançada em 1998, é uma peça de design, tecnologia e inovação sem precedentes, que consolidou a Nike como líder em inovação nas chuteiras de futebol.

Desde então, o apetite por chuteiras coloridas aumentou. Mais do que um elemento de diferenciação de cada atleta, de cada estilo de futebol, as cores fortes funcionam para visualização extra em campo.

Mas além dos modelos coloridos, a Nike também produz chuteiras com caráter mais “clássico”. Chuteiras que oferecem acima de tudo conforto e cores neutras, como preto ou branco, que servem consumidores e atletas que tenham esta preferência.

Do desenvolvimento do primeiro modelo da Tiempo até hoje, o mercado e a indústria de material esportivo mudou muito, em todos os aspectos. O que melhorou em relação à produção de chuteiras daquela época para cá? O que se pensa hoje que não se pensava na época?

As tecnologias de materiais e produção estão em constante evolução. No passado não se pensava possível, por exemplo, um calçado com tecnologia Flyknit, uma microtextura que dá a sensação de estar jogando descalço. Ou uma chuteira com cano mais alto, o Dynamic Fit Collar que oferece mais estabilidade. O processo de inovação é contínuo e é por isso que ouvimos a voz dos atletas para saber como podemos aperfeiçoar nossos modelos sempre.

[galeria_embeded]

Qual foi a importância do marketing para que a Nike ganhasse tanto prestígio no mundo do futebol, de forma tão rápida?

Estratégias de marketing são fundamentais para criar conexões e inspirar atletas de todos os níveis. Temos o compromisso de oferecer a mais alta qualidade em nossos produtos e serviços. Para isso, ouvimos os atletas e buscamos inovação contínua.

Cristian Corsi, presidente da Nike no Brasil, nos disse em 2014 que ser a fornecedora da Seleção Brasileira foi um passo fundamental para que a Nike Futebol crescesse e se tornasse a maior marca esportiva de futebol no mundo. Fazendo um paralelo, o que foi fundamental para que a Tiempo fizesse tanto sucesso?

Acreditamos que o fato de a Tiempo ter se mantido fiel às suas características ao longo dos anos é o principal motivo do sucesso.  É uma chuteira que manteve o couro em seu cabdeal e uma região acolchoada nas região dos dedos, atributos que proporcionam muito conforto ao atleta e fazem que o modelo se mantenha um ícone ate hoje.

Patrocinar seleções como o Brasil ainda é tão fundamental quanto em 1994 ou patrocinar clubes se tornou mais importante?

Acredito que o peso se equivale. Vestir seleções como a brasileira, inglesa, francesa, holandesa, portuguesa, entre outras, e times como o Corinthians, Barcelona, Roma, PSG, Inter de Milão, entre outros, são importantes ativos para estarmos conectados com milhões de fãs ao redor do mundo.

Os comerciais da Nike marcaram época nos anos 1990 e no início dos anos 2000. Essa estratégia com comerciais com superestrelas mudou?

Sempre tivemos grandes comerciais voltados para o futebol. Um exemplo é o filme “Airport”, dirigido por John Woo em 1998, que mostra a Seleção Brasileira realizando jogadas espetaculares no aeroporto do Rio de Janeiro. Esse comercial demonstrou a filosofia da marca de incentivar um futebol rápido, livre, criativo e espontâneo. A estratégia se mantém até os dias de hoje. Em 2014 lançamos a animação “O Último Jogo“, que contou com a participação de estrelas como Neymar, Cristiano Ronaldo e Zlatan Ibrahimovic. O vídeo reforçou nossa crença na necessidade da genialidade e ousadia dentro do futebol.

A Nike se tornou uma gigante do futebol nos anos 1990 e atualmente cada vez mais marcas esportivas tentam fazer o mesmo caminho. O que mudou do lançamento da Tiempo em 1994 até hoje, em termos de concorrência?

Muitas marcas surgiram ao longo desses 20 anos, mas a Nike continua fiel a sua missão e valores, ouvindo os atletas e em constante busca por inovação.

O que a Tiempo representa para a Nike hoje, em termos de vendas? Quais os modelos mais vendidos atualmente? – Qual a porcentagem que as chuteiras representam nas vendas da Nike Futebol?

Não revelamos números de vendas por motivos estratégicos, mas podemos afirmar que em quase todos os grandes mercados somos a empresa número 1 em chuteiras. Isso ocorre devido aos insights que recebemos dos melhores jogadores de futebol do mundo. Eles nos fornecem informações detalhadas sobre os produtos e o que necessitam para melhorar o desempenho.

A partir de 1994, construímos um negócio global no futebol revolucionando o mercado com produtos inovadores como a Nike Tiempo Premier, primeira chuteira em couro da Nike para o futebol, e a Mercurial, que redefiniu o conceito de chuteiras.

Os lançamentos da Magista e da Mercurial Superfly, com tecnologia Flyknit adaptada para o futebol, e a revolucionária gola Dynamic Fit, aplicada à meia altura no tornozelo, são exemplos de inovações capazes de transformar o mercado.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo