Barcelona: É hora de despedida

por Airton Pimentel Junior

Dessa vez não descreverei nenhum acontecimento feito pelo clube que amo, não ponderarei fatos, jogos e nem jogadores, e sim apresentarei, em precisas palavras, a vida de um ídolo, uma pessoa que fez com que eu e toda minha família amassemos tanto um clube de futebol, o único clube. Quero homenagear meu avô.

Nascido em Tarragona, em 1922, hoje com 85 anos, veio ao Brasil em busca de paz, pois, naquela época, a Catalunha estava lidando com fortes despotismos do governo espanhol. Contudo, a dor no coração foi inevitável, já que deixava na Catalunha um dos seus maiores amores: o FC Barcelona, time que instruía seus filhos a adorar, como ele. Após anos no Brasil, voltou à terra natal, porém, a idade não o ajudou a adaptar-se em seu país. Viu seu neto nascer e voltou para o Brasil, terra que já amava. No entanto, não esquecia suas origens e seu grande amor, o time de coração, que alegrava em cada momento lembrado, mesmo tão distante.

O amor que um clube proporciona a uma pessoa é tanto, que ele doutrinou com maior devoção seus dois netos a amarem o clube como ele. Eu era um deles. Lembro-me até hoje do vinil chamado “Los cânticos del Barca”. Parecia que ele estava nos delineando para isso, e deste modo foi, tudo planificado. Com enorme felicidade, hoje em dia, sabe que tem uma família blaugrana.

Sócio do Barcelona há mais de 30 anos, é um dos maiores amantes, um dos mais felizes e fiéis blaugranas que conheci. Todavia, o tempo faz com que seja complexa sua marcha para ver um jogo, voltar à sua terra. Viajar já se torna complicado, contudo, a despedida será em breve. Seu último desejo na vida é ver o Barcelona, pela última vez, após vários problemas de saúde.

Mais que merecido, em breve o sonho será realizado. Na terceira rodada do Campeonato Espanhol, haverá o jogo entre Barcelona x Sevilla, no aniversário de 50 anos do Camp Nou. Será a despedida de um verdadeiro torcedor, nada mais justo e lindo, a uma pessoa que tanto elevou o Barcelona com suas palavras. Essa será a última partida vista no estádio do FC Barcelona, time que várias vezes ele viu jogar em seu estádio, após quase 90 anos de paixão pelo clube. Depois disso, ele articulou que poderá descansar em paz e feliz, espera comover-se, como sempre e voltar ao seu lar afortunado.

Por fim, como ele mesmo relatou – “Meu Barcelona, quando eu chegar a Lês Corts, eu já irei tremer. Não sei se chegarei lúcido quando vir o estádio, imagino-me subindo os degraus do Camp Nou… ‘Tot el Camp, és un clam…’”. Continuou cantando o hino, e as lágrimas não foram contidas. Pois é, não tenho mais palavras, a não ser “obrigado”, porém, isso diz e define tudo. Obrigado, meu avô.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo