Ah, se fosse no futebol

Em 1989, Alain Prost foi campeão de Fórmula 1 jogando o carro em cima  de Ayrton Senna. No ano seguinte, Senna fez idêntico, e ganhou o título. Michael Schumacher foi campeão assim. E Rubens Barrichello, arauto da ética no esporte, cansou de tirar o pé do acelerador para o alemão passar (“hoje, não, hoje, não, hoje, não… hoje, sim…”).

Mesmo assim, as pessoas que gostam desse “esporte” têm a suprema cara de pau de vir falar mal de Nelsinho Piquet alegando questões “éticas”! E quando é que a Fórmula 1 teve qualquer tipo de ética?

Da mesma forma, John Terry, capitão da Inglaterra, tem dito por aí que a Inglaterra não ganha a Copa do Mundo porque seus jogadores não sabem “mergulhar” para cavar pênaltis. Pelo jeito, o zagueirão esqueceu que a Inglaterra já foi campeã, com um gol que não foi gol.

Como de costume, todo mundo quer ética, mas para os outros.

PS: Um abraço ao companheiro Gustavo Hofman

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo