Agora é pra valer

Os dias que antecedem as principais competições de futebol do mundo são um porre. Coletivas de imprensa chatíssimas, previsões sobre quem surpreenderá, quem decepcionará, quem será a estrela… Mas nesta sexta, finalmente, começa a Copa América 2011.

Não dá para fugir do óbvio ululante: Argentina, Brasil e Uruguai são os favoritos. Não nessa ordem, porque ao meu ver, hoje, na América do Sul não há uma grande seleção.

Os argentinos levam vantagem por dois motivos bem simples: jogam em casa e tem Lionel Messi. Por outro lado, têm Sergio Batista no comando, que quase não levou Carlitos Tevez por problemas com o atacante do Manchester City.

A equipe é muito boa, principalmente no ataque, onde os dois citados terão a companhia inicial de Ezequiel Lavezzi. No meio aparecerão Javier Mascherano, Esteban Cambiasso e Ever Banega, que são melhores marcadores do que armadores. A defesa contra a Bolívia, na estreia, deve ter Romero, Zanetti, Burdisso, Milito e Rojo.

É incontestável a qualidade do time argentino, que ainda tem atletas como Ángel di María e Sergio Agüero no banco, assim como é indubitável o talento de seu principal rival, o Brasil.

A Seleção de Mano Menezes terá seu primeiro grande teste com o novo treinador, que apostou em um esquema ofensivo e que dependerá, demais, da dedicação de alguns jogadores. A começar por Ramires no meio-campo, que precisará ser muito eficiente na marcação. E, principalmente, de Neymar e Robinho, abertos pelos lados do campo.

O desenho tático varia do 4-2-3-1 para o 4-3-3, muito similar ao que Mano sempre utilizou no Corinthians. No Parque São Jorge, porém, Jorge Henrique e Dentinho marcavam com a mesma intensidade e disposição que atacavam e fechavam bem a linha do meio. E o mesmo precisará ocorrer com a dupla Robinho-Neymar. O primeiro já fez bem esse papel no Milan, onde voltava bastante. Já Neymar…

Mas além de argentinos e brasileiros, o Uruguai também chega forte. Não tão forte, porém, como na última Copa do Mundo, quando surpreendeu a todos com as semifinais alcançadas.

Diego Forlán não joga bem desde… o Mundial. Ele é a alma dessa equipe, o líder em campo. Os uruguaios dependem demais de suas atuações, mas hoje têm, pelo menos, dois atacante consolidados. Luis Suárez é quem, realmente, pode desequilibrar a favor do time comandado por Óscar Tabárez, que também precisa aproveitar a fase artilheira de Edinson Cavani. A Celeste é, ao menos, o time com mais cara de time.

Surpresas sempre são possíveis, mas nesta Copa América difíceis de acontecer. Como as semifinais precisam de mais uma equipe, acho que a Colômbia tem condições de avançar. Muito devido ao excelente momento da dupla portista Freddy Guarín e Radamel Falcao.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo