Houve um tempo em que uma lesão do ligamento cruzado anterior significava uma grande incógnita para o restante da carreira de um jogador. Atualmente, o avanço da medicina esportiva mudou este cenário, mas esta segue sendo uma das piores contusões que um atleta pode ter. Machucado no duelo da Itália com os Países Baixos na segunda-feira (7), Nicolò Zaniolo teve confirmada a sua segunda lesão do tipo em apenas oito meses. Em seu caso, é justamente a sucessão de problemas que começa a colocar dúvida sobre a progressão de sua carreira, que teve primeiros anos bastante promissores.

Zaniolo passou boa parte de sua formação na Fiorentina, defendendo as categorias de base do clube entre 2010 e 2016. Deixou o clube para ter maior controle sobre seus próximos passos no futebol, em um momento em que a Viola pretendia emprestá-lo. O garoto não sentia haver um projeto para ele na equipe e acabou se juntando ao Virtus Entella, da segunda divisão italiana.

Inicialmente integrado à base da equipe, foi promovido na reta final da temporada 2016/17 e atuou em sete partidas do time principal. Seus primeiros passos eram seguidos de perto por grandes clubes do país, e já em 2017 o jogador foi contratado pela Internazionale.

Zaniolo ficou apenas um ano em Milão, sem entrar em campo pelo time principal, atuando apenas pela equipe Primavera da Inter, o time de base. Terminou 2017/18 como o artilheiro da sua equipe no Campeonato Primavera, com 13 gols, e tinha boas chances de, em breve, integrar o time principal da Inter, mas acabou envolvido na negociação do clube por Radja Nainggolan, indo para a Roma ao lado de Davide Santon, enquanto o belga fez caminho contrário.

Na Roma, Zaniolo logo integrou a equipe principal, comandada à época por Eusebio Di Francesco. Fez sua estreia em setembro de 2018 e marcou seu primeiro gol pelo time em dezembro daquele ano.

Seu talento incontestável e a rápida adaptação transformaram o jovem em figurinha carimbada da Roma naquela temporada, mesmo após a mudança de técnico, com a saída de Di Francesco e a chegada de Claudio Ranieri. A essa altura, Zaniolo estava estabelecido, tendo marcado seis gols, dois deles na Champions League, e dado três assistências em 2018/19. O ano seguinte seria de afirmação, mas vieram os problemas.

Em janeiro de 2020, Zaniolo rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito, o que o tiraria do restante da temporada 2019/20. No mesmo mês, passou por cirurgia. Inicialmente, voltaria apenas para a campanha seguinte, mas a pandemia do Coronavírus e a consequente paralisação do futebol possibilitaram ao garoto voltar ainda naquela temporada.

Desde o reinício do futebol, as atuações de Zaniolo serviram mais para lhe dar ritmo, com poucos minutos aqui e ali, do que qualquer outra coisa. Ele ainda não estava em 100% de suas condições. Ainda assim, como outra prova de sua qualidade, teve lampejos de excelência e foi convocado para os jogos da seleção italiana neste princípio de Liga das Nações 2020/21. Titular contra os Países Baixos na segunda-feira, deixou o campo ainda no primeiro tempo, lesionado.

Nesta terça-feira (8), o rompimento do ligamento cruzado anterior, agora do joelho esquerdo, foi confirmado. Em média, os jogadores levam entre seis e oito meses para voltar a jogar depois de lesão do tipo, o que significa que só deveremos ver Zaniolo em campo novamente por volta de março de 2021.

Por mais que tenha um enorme potencial, sendo um dos mais empolgantes talentos da sua idade (21 anos) no mundo, Zaniolo começa a ver sua progressão de carreira atingir um status de incógnita. A faixa etária em que se encontra costuma ser um período importante no desenvolvimento de um atleta, o momento de elevar um pouco o nível e demonstrar constância para se firmar como um dos grandes talentos do mundo. Tendo esse período seguidamente interrompido, Zaniolo já se encontra em desvantagem, e a incidência das contusões levanta dúvidas, é claro, sobre sua capacidade de permanecer em boa forma por um tempo significativo.

Com um talento tão grande, a torcida de qualquer entusiasta do futebol é que este período difícil seja apenas um parêntese na carreira do jogador, que está apenas no início. Ver Zaniolo atingir seu teto de potencial seria excelente não apenas para a Itália, como também para qualquer um que goste de ver futebol de alto nível.

Agora, o que resta ao jogador e à equipe médica da Roma, além de trabalhar duro na recuperação, é investigar as razões por trás de sua susceptibilidade às lesões, possivelmente adaptando seus trabalhos futuros a isso. Zaniolo é um jogador do tipo que não se pode abrir mão tão facilmente.