Tem tempo que Bastian Schweinsteiger já não faz mais parte do Manchester United, embora ainda pertença ao clube inglês. Com o tratamento recebido a partir do momento em que José Mourinho assumiu o comando do time, o coração e a mente do jogador começaram a vagar sem rumo, deixando vago qual seria seu destino. Anunciar aposentaria de vez? Jogar na Major League Soccer? Na concepção de Jürgen Klinsmann, a segunda opção parece ser a melhor.

VEJA TAMBÉM: Schweinsteiger tem uma história enorme, mas está na hora de dar um passo para trás

“Seria ótimo que Schweinsteiger fosse para a MLS”, falou o ex-treinador da seleção alemã e do Bayern, atualmente sobre o comando da seleção norte-americana, em entrevista à imprensa da Alemanha. “Muitos jogadores estão indo para os Estados Unidos. Seria bom que ele fosse também porque nos ajudaria, já que garotos mais jovens teriam um excelente jogador ao seu lado para se espelhar”, acrescentou. “Se Schweini acha que deve ir para a MLS, seria algo muito legal”, concluiu o técnico.

Klinsmann é apenas mais um que espera pelo meia nos Estados Unidos. Em outubro, Don Garber, um dos principais dirigentes da Major League Soccer, disse que “as portas da liga estão abertas para Schweinsteiger”. Dan Hunt, presidente do Dallas, foi outro que demonstrou que ficaria muito feliz em receber o craque alemão no clube texano. “Ele é um excelente jogador. Sempre o admirei e acompanhei o sucesso que suas equipes tiveram. Não é coincidência. Ele é um campeão”, elogiou Hunt.

Joachim Löw, contudo, pensa que o destino de Schweini é no próprio United. O treinador da Mannschaft tem esperanças de que o meia voltará a atuar com a camisa vermelha. “Às vezes acontecem reviravoltas no futebol”, falou o técnico em entrevista. Mas, ao que parece, nem Mourinho, nem o clube, tampouco Bastian pensam nisso. A equipe de Manchester já mostrou que está disposta a desembolsar uma bolada para rescindir seu contrato. E mesmo que não estivesse, não tem mais clima para o jogador ficar.

Talvez jogar na MLS seja mesmo uma alternativa interessante. A tirar como exemplo David Villa, que foi para a liga não em uma situação igual a de Schweinsteiger, mas levantando as mesmas dúvidas por conta da idade e de não ter mais plenas condições físicas, e hoje está voando no New York City. Schweini não precisa provar mais nada para ninguém, mas merece ter um fim de carreira em clubes tão digno quanto teve na seleção.