Depois de perder uma final longa e importante como a da Libertadores, para o rival River Plate, nada como uma mudança de ares. E é nos Estados Unidos que Guillermo Barros Schelotto afogará suas mágoas. O argentino de 45 anos foi anunciado, nesta quarta-feira, como o novo treinador do Los Angeles Galaxy, mais uma atração no banco de reservas da Major League Soccer.

LEIA MAIS: O Atlanta United, campeão com méritos inegáveis, beneficia a MLS como um todo

Após perder Tata Martino, provavelmente para a seleção mexicana, a MLS atraiu outros nomes interessantes, começando com Frank De Boer, sucessor de Martino no atual campeão Atlanta United. O ex-jogador conquistou quatro vezes o Campeonato Holandês com o Ajax, antes de duas passagens trágicas por Internazionale e Crystal Palace.

O San Jose Earthquakes contratou o argentino Matías Almeyda, ex-treinador do Chivas Guadalajara, pelo qual conquistou a Liga MX, duas edições da Copa do México e é o atual vencedor da Champions League da Concacaf. Deixou o Chivas após o título e ainda em 2018 foi anunciado pelo clube americano para a temporada seguinte.

Os recém-chegados juntam-se a nomes como o de Rémi Garde, ex-treinador do Lyon e no Montreal Impact desde 2017, ou Domènec Torrent, antigo assistente de Pep Guardiola que substituiu Patrick Vieira na metade do ano passado.

“Estou honrado por ser o treinador do time mais condecorado da Major League Soccer”, afirmou Schelotto. “É uma tremenda oportunidade para mim e estou animado para começar o trabalho. O Los Angeles Galaxy tem sido o padrão da MLS e estou pronto para levar o clube a novos voos”.

Schelotto tem história na Major League Soccer como jogador. Defendeu o Columbus Crew entre 2007 e 2010, conquistando o título de 2008, ano em que também foi eleito o melhor jogador da temporada.