A Sampdoria tem novo treinador. Claudio Ranieri, prestes a completar 68 anos, assinou contrato por dois anos com a equipe de Gênova. O treinador, que tem passagens por 17 clubes, trabalhou pela última vez como interino, depois da saída de Eusebio di Francesco, quando foi demitido da Roma. Curiosamente, novamente ele irá substituir Di Francesco, demitido da Samp.

“O presidente Massimo Ferrero e a UC Sampdoria dão as boas-vindas a Claudio Ranieri, que assinou como técnico do clube até junho de 2021”, diz comunicado no site do clube. “O presidente deseja ao técnico, sua comissão técnica e ao time boa sorte com trabalho baseado em comprometimento e paixão”.

Di Francesco foi demitido depois de um início desastroso de temporada. Foram seis derrotas nas sete primeiras rodadas da Serie A. As primeiras opções do clube para substituí-lo eram Stefano Pioli, que foi para o Milan no lugar do ex-Samp Marco Giampaolo, também demitido, e Gennaro Gattuso, treinador do Milan na temporada passada. Os dois recusaram o convite.

O contrato de Ranieri é de dois anos, mas possui uma cláusula que permite ao clube encerrar o contrato antes se for rebaixado à Serie B. Em uma coincidência, a estreia do treinador será no dia 20 de outubro, próximo domingo, no dia do aniversário de 68 anos do treinador. E mais do que isso: contra a Roma, clube com o qual Ranieri tem uma profunda ligação e do qual é torcedor.

Ranieri é um técnico de muita experiência na Itália. São 17 clubes na carreira: Vigor Lamezia, Puteolana, Cagliari, Napoli, Fiorentina, Valencia (duas vezes), Atletico Madrid, Chelsea, Parma, Juventus, Roma (duas vezes), Internazionale, Monaco, seleção da Grécia, Leicester City, Nantes e Fulham.

Considerando apenas Serie A, Ranieri tem 393 jogos, com 169 vitórias, 126 empates e outras 98 derrotas. Na temporada 2015/16, foi contratado para dirigir o Leicester City, que tinha escapado do rebaixamento na temporada anterior e era um dos grandes candidatos a cair. Com o italiano no comando, o Leicester surpreendeu e conquistou o título. Na temporada seguinte, porém, o time sofreu, ficou ameaçado de rebaixamento e o treinador acabou demitido.

Uma das certezas que dá para ter com Ranieri fará a Sampdoria ter um sistema de jogo. O treinador costuma aplicar um estilo direto, mas para isso precisa de uma defesa sólida, o que não conseguiu fazer no Fulham. Será preciso que o treinador resolva esse problema rapidamente, até para poder dar alguma estabilidade a um time que começou perdendo jogos em sequência.

É inegável que Ranieri seja um ótimo administrador de pessoas. Ele consegue criar bons ambientes nos seus times. Só que será preciso ir além disso e o sistema tático precisará ser consistente. A lembrança do bom trabalho no Leicester ainda está bastante viva na memória das pessoas, mas ali havia uma boa base para ele construir.

Desta vez, encontra um time que ainda busca se remontar depois da boa temporada passada e que perdeu jogadores importantes, como Joachim Andersen e Dennis Praet. Fez contratações, é verdade, como Jeison Murillo, zagueiro que chegou do Valencia, e Julian Chabot, que veio do Groningen. Alex Ferrari também foi contratado para dar mais forca defensiva. Jakub Jankto chegou da Udinese como opção no meio-campo, onde Praet era um jogador crucial.

Ranieri é um treinador de um jogo simples e os clubes que funcionaram foram melhores quando conseguiram executar, com muita eficiência, o sistema. Será um enorme desafio para o treinador. E para a Sampdoria, que contou na temporada passada com um Fabio Quagliarella que brilhou intensamente e fechou 2018/19 como artilheiro da Serie A, com 26 gols, superando Duván Zapata, Krzysztof Piatek e Cristiano Ronaldo. Pode ser uma espécie de novo Jamie Vardy, se encaixar no que pensa Ranieri.