A grandeza de Mohamed Salah não se traduz apenas por aquilo que o atacante protagoniza em campo. O egípcio costuma realizar diversas ações solidárias, sobretudo em seu país natal. E a generosidade do craque do Liverpool atingiu seu ápice nesta semana, diante de um ataque terrorista que comprometeu as estruturas do Instituto Nacional do Câncer, no Cairo. Para que o hospital seja reparado e retome o quanto antes o atendimento aos pacientes, o artilheiro doou o equivalente a R$13 milhões.

O ataque aconteceu na noite da última segunda-feira. Ao conduzir um carro cheio de explosivos, o terrorista provocou um acidente na frente do Instituto, que envolveu outros três veículos. Ao menos 20 pessoas morreram e outras 47 ficaram feridas. As explosões comprometeram as estruturas do hospital, que precisou ser evacuado. Ao todo, 78 pacientes foram transferidos. As circunstâncias do ato terrorista ainda são apuradas, mas as suspeitas se concentram sobre grupos opositores do atual governo egípcio.

Primeiro ministro do país, Mostafa Madbouly convocou a população para que auxiliasse nas doações em prol do hospital. A intenção é restabelecer rapidamente os serviços oferecidos pelo Instituto, que incluem o diagnóstico e o tratamento de pacientes com câncer no Cairo. Algumas personalidades do país deram sua contribuição. Ainda assim, a ação de Salah chamou a atenção. Segundo o presidente da Universidade do Cairo, Mohamed Othman, que gere a instituição médica, o astro ofereceu 54 milhões de libras egípcias – na cotação atual das moedas, montante que se aproxima dos R$13 milhões.

Não é a primeira vez que Salah se envolve no combate ao câncer no Egito. Em março de 2018, o artilheiro fez uma doação equivalente a R$2,2 milhões ao Hospital 57357, no Cairo, um dos maiores do mundo com especialização em câncer infantil. O dinheiro foi usado para comprar equipamentos ligados ao transplante de medula óssea. Na semana anterior, o astro já havia bancado parte dos custos do transplante de um menino internado no local.

Além disso, Salah contribui com a manutenção do sistema de saúde no vilarejo onde cresceu, na zona rural da cidade de Basyoun, norte do Egito. Por lá, ele ajuda a sustentar o serviço de ambulância, além de várias unidades de incubação hospitalar. Também construiu uma escola no local. E, através de sua instituição de caridade, distribui roupas e alimentos a pessoas carentes, sobretudo no Ramadã. O novo ato é mais um exemplo da sua generosidade.