Um novo contrato de distribuição de cotas de TV começa a valer para o Campeonato Brasileiro a partir deste ano. As novas cotas acordadas entre a Globo e as 20 agremiações da série A para o triênio de 2016 à 2018 fazem a discrepância entre os valores que os clubes ganham por conta de exposição à televisão ser ainda maior do que já era. Corinthians e Flamengo, que têm poder de venda superior aos outros e, consequentemente, recebem mais, vão faturar R$ 60 milhões a mais do que o São Paulo, que é o terceiro mais bem pago já há algum tempo.

LEIA MAIS: Quinze histórias que só poderiam ter acontecido nos nossos estaduais

Outro fator que continua chamando a atenção é a supremacia e o privilégio dos clubes paulistas ante aos dos demais estados brasileiros. Das cinco agremiações mais bem pagas, quatro são de São Paulo, e nenhum clube do eixo Rio-São Paulo receberá menos do que R$ 60 milhões. Nem mesmo o Vasco, que caiu para a segunda divisão do campeonato e ganhará dez vezes mais do que a maioria dos clubes da competição, e o Botafogo, que acabou de retornar à elite do futebol brasileiro.

O sistema vai continuar seguindo a mesma lógica do triênio anterior, que resulta em uma divisão desigual, insustentável e que coloca os interesses da emissora que detêm os direitos de transmissão acima de tudo. Apesar de se tratar de um novo contrato, só no triênio que se inicia em 2019 as diferenças no sistema de distribuição das cotas vão poder realmente ser notadas. Isso porque a Globo, ao ver que vários clubes que se sentiam injustiçados com a forma como a divisão das cotas acontece estavam fechando contrato com o Esporte Interativo, resolveu repensar o modelo atual e mudar alguns conceitos para o futuro.

Daqui a três anos, a divisão será feita da seguinte forma: 40% da verba será distribuída de forma igual entre todos os clubes, 30% será avaliada conforme o desempenho dos clubes e os 30% restantes dirão respeito à audiência. No entanto, ainda não ficou claro como isso valerá em cada um dos contratos de TV aberta, fechada e Pay-Per-View.

Confira quanto os 20 clubes do Brasileirão vão gerar de receita com direitos de transmissão este ano: