A ideia de um teto salarial para os clubes europeus é algo que vira e mexe aparece no noticiário, mas nunca vai para frente. Karl-Heinz Rummenigge, ex-presidente do Bayern de Munique e atualmente presidente da diretoria executiva, diz que a ideia já foi levada até a Uefa outras vezes e, mesmo com apoio, nunca teve continuidade.

“Não excluo que possa haver uma nova tentativa, o teto salarial é uma discussão interessante na minha opinião”, afirmou o dirigente em entrevista à Sky Sports Alemanha. “Eu estive em Bruxelas diversas vezes com o presidente da Uefa, Michel Platini, mas ele sempre evitou esse assunto, mesmo que a maior parte dos clubes da Europa apoiassem a ideia”.

“Nos disseram desde o começo que isso não estaria alinhado com as leis de competitividade da Europa. Por isso, não teria chance na época. É difícil avaliar se a situação seria diferente hoje”, disse o dirigente do Bayern.

Além de falar sobre teto salarial, os repórteres perguntaram ao dirigente sobre uma fala do presidente da DFB, a Federação Alemã de Futebol. Fritz Keller afirmou em entrevista à revista Der Spiegel que alguns dos maiores clubes ostentam a quantidade de dinheiro que têm, o que gera uma percepção negativa do futebol como um todo. Keller afirmou ainda que deveria haver mais humildade entre os jogadores.

Rummenigge não gostou da fala e respondeu com vigor. “Foi uma escolha de palavra populista”, disse Rummenigge. “Se houve uma crise nos anos recentes, foi na DFB. Talvez na DFB eles devessem comprar uma vassoura para varrer sua casa primeiro. Eu posso pensar em muitas coisas que eu não gostei na DFB nos últimos anos. Até hoje, ainda não está determinado quando a 3.Bundesliga e as Frauen-Bundesliga poderão continuar. É importante que os outros possam continuar”.

“Nunca recebi tantas ligações”

O retorno da Bundesliga fez com que Rummenigge recebesse muitas ligações. Ele elogiou a DFL, a liga alemã, e também os políticos. “Nós queremos agradecer os políticos porque eles fizeram um grande trabalho na crise e nós deram a oportunidade de usar o reinício da Bundesliga conceitualmente. Ontem [domingo] mostrou que a liga trabalhou bem, a DFL fez um grande trabalho, tanto em termos organizacionais quanto médicos. Mas não podemos desistir agora e lidar com os requisitos da política de maneira séria e disciplinada no futuro”.