Pep Guardiola segue firme em seu objetivo de ter uma defesa sólida e segura no Manchester City, custe o que custar – com ênfase nesta última parte. Desde que chegou ao comando dos Cityzens, o técnico já gastou uma fortuna em reforços para o setor, e a contratação de Rúben Dias, confirmada pelo Benfica em seu site oficial, acaba de levar o valor para mais de £ 400 milhões.

Graças à reputação justa que construiu no futebol, Guardiola sempre teve o respaldo financeiro da diretoria do City no mercado de transferência, e nenhuma área do campo reforça tanto isso quanto a defesa. Em seus quatro anos à frente dos Cityzens, nove reforços somam agora mais de £ 400 milhões em gastos, com zagueiros representando mais da metade do montante: £ 207 milhões.

Da mesma forma como é um problema que todas as contratações anteriores não tenham sido suficientes para resolver a questão de uma vez por todas, como evidenciado pela derrota por 5 a 2 em casa para o Leicester no domingo (27), é preocupante que os £ 62 milhões da vez sejam postos em um nome que, ao menos em teoria, não tem status para ser a solução final.

Rúben Dias, que assinou por cinco anos, é um reforço interessante, mas seu custo parece exagerado aqui, especialmente levando em conta que o português foi a terceira opção do City no atual mercado. Depois de pagar o também discutível preço de £ 41 milhões por Nathan Aké, ex-Bournemouth, a equipe de Manchester foi atrás de um outro zagueiro, preferencialmente mais estabelecido e de um patamar acima daquele do neerlandês. O primeiro nome reunia justamente isso: Kalidou Koulibaly. Depois de as negociações com o Napoli se arrastarem durante longas semanas e emperrarem, o foco mudou para o promissor Jules Koundé, do Sevilla. Depois de outro fracasso, enfim a mira foi para Rúben Dias.

Como parte do negócio, um outro zagueiro faz o caminho reverso: por € 15 milhões, Nicolás Otamendi, de 32 anos, acerta com o Benfica e retorna a Portugal, depois de passar quatro anos no Porto, entre 2010 e 2014.

Nicolás Otamendi faz caminho reverso ao de Rúben Dias e deixa o City para reforçar o Benfica (Ben Stansall/AFP via Getty Images/OneFootball)

Aos 23 anos, Rúben Dias, não se engane, é, sim, um nome interessante para a defesa e com um teto de potencial ainda relativamente alto. Porém, por este valor e considerando as peças já disponíveis, o City poderia ter encontrado alguém de maior retorno imediato ao conjunto. Alguém com um perfil mais próximo de Koulibaly, que chegaria para ser referência, assumir a liderança do setor e intimidar os atacantes adversários.

Zagueiro de qualidade no passe, Rúben Dias pode, sim, se encaixar bem na equipe de Guardiola, e a concorrência deverá, em teoria, fazer bem a todos os zagueiros que ficarão para a disputa da temporada. Entretanto, com uma etiqueta de preço tão significativa, a pressão será grande por resultados. Não apenas sobre ele, mas também sobre Guardiola, que não pode reclamar de falta de investimentos para resolver o seu problema defensivo.