Era 6 de setembro de 2003 quando Rooney marcava o seu primeiro gol com a camisa da Inglaterra, no seu sexto jogo pela seleção. Foi em uma vitória por 2 a 1 sobre a Macedônia, nas Eliminatórias para a Eurocopa de 2004. Naquele dia, ele estabeleceu um recorde que se mantém até hoje: aos 17 anos e 317 dias, tornou-se o jogador mais jovem a marcar um gol pela Inglaterra.

NEWSLETTER: Confira a nossa newsletter, toda sexta no seu e-mail!

Neste sábado, a um dia do feito completar 12 anos, Rooney atingiu um recorde ainda mais importante. Contra San Marino, Rooney chegou a 49 gols e igualou a marca de Bobby Charlton, maior artilheiro da história da seleção inglesa. Foi o primeiro gol, de pênalti, na goleada inglesa sobre a fraca seleção de San Marino por 6 a 0. Uma vitória que classificou a Inglaterra à Eurocopa com muita antecipação. Na terça o time joga contra a Suíça. Depois, restarão dois jogos para o fim das Eliminatórias para a Eurocopa, com o último deles no dia 12 de outubro.

Aos 29 anos, chegou a 106 jogos, mesma marca de Bobby Charlton, o que os coloca como sexto jogador a fazer mais jogos pela seleção inglesa. O recordista é o goleiro Peter Shilton, que tem 125 jogos, seguido por David Beckham (115) e Steven Gerrard (114). Os seguintes serão passados por Rooney rapidamente: Bobby Moore (108) e Ashley Cole (106).

Na carreira, Rooney tem 299 gols. Significa que no jogo contra a Suíça, na próxima terça, ele pode chegar a 300 gols na carreira e ao 50º pela seleção, ficando sozinho com a marca. Capitão da seleção inglesa, capitão do Manchester United, Rooney chega a essa marca justamente em um momento que é questionado por suas atuações que não têm sido do nível que se espera.

No Manchester United, os três gols que marcou na fase preliminar da Champions League, na semana passada, ajudaram a amenizar um pouco as críticas. Mas o futebol ainda muito fraco que o time tem apresentado tem sido atribuído, entre outros fatores, ao baixo rendimento do camisa 10. Ainda estamos no início da temporada, mas o gongo já soa. Ainda mais com a chegada de Anthony Martial, jovem de 19 anos contratado por € 50 milhões pelos Red Devils. Alguns torcedores querem a saída de Rooney para a entrada do jovem no ataque. Algo que, sabemos, não deve acontecer, ao menos imediatamente.

Na seleção inglesa também há questionamentos. Um deles é que o jogador ainda não tinha marcado um gol em Copa do Mundo até 2014. E o seu único gol foi marcado na derrota para o Uruguai por 2 a 1, que eliminou os ingleses da Copa. Mas a sua importância continua sendo grande e Rooney tem lastro. Tem sido o principal jogador da Inglaterra depois da Copa e lidera o time em uma Eliminatória muito tranquila rumo à Eurocopa de 2016. É na França que Rooney deve ter o seu maior desafio: levar a Inglaterra a um título. Ainda parece uma missão tão difícil que Rooney talvez devesse se chamar Ethan Hunt para a saga ser chamada de “Missão Impossível”.

Seja como for, Rooney já tem o seu nome ligado à história da seleção inglesa. Até o fim da carreira, deve ampliar ainda mais as marcas que atingiu até aqui. Independente de não estar no seu momento mais brilhante, Rooney é um grande jogador e tem tudo para continuar, por algum tempo, sendo o melhor do seu país.