Wayne Rooney vive uma grande fase na sua carreira. Aos 32 anos, o jogador surpreendeu ao deixar o Everton para jogar pelo DC United, em Washington, nos Estados Unidos, e tem sido crucial para que o time da capital americana esteja nos playoffs. Neste domingo, o time venceu por 3 a 1, garantiu a vaga e parece estar em alta. Em entrevista ao ex-jogador Alan Shearer, o jogador contou que sempre achou que fosse dar certo no Manchester United e que sabia que precisava de um desafio, por isso decidiu sair do Everton.

LEIA TAMBÉM: Chelsea jogou, Manchester United mostrou futebol e no fim empate premia bom jogo

Rooney surgiu como um fenômeno no Everton em 2002. Ficou no clube até 2004, quando trocou o Goodison Park pelo Old Trafford para defender aquele que era a grande potência da Premier League na época, o Manchester United. Ficou no clube por 13 anos antes de retornar ao Everton em 2017. Ficou uma temporada no clube que considera a sua casa, e do qual é torcedor. Em 2018, se transferiu para os Estados Unidos. Ele contou sobre os motivos para a primeira transferência na vida.

“Eu sempre senti que eu era bom o bastante e eu queria o desafio”, afirmou Rooney, em entrevista à rede de TV americana NBC, para Alan Shearer. “Eu cresci assistindo a Premier League, eu conheço muita gente que fala que a Champions League e o quanto é importante é conquista-la, mas o primeiro título da Premier League foi realmente especial”, contou o jogador.

Rooney se tornou um goleador na carreira. Marcou 208 gols só na Premier League, ficando atrás apenas de Alan Shearer, justamente seu entrevistador, que fez 260. Apesar do alto número de gols, Rooney revela que demorou a se adaptar a jogar como centroavante e não recuar para participar mais das jogadas, o que também explica a sua fácil adaptação ao meio-campo, onde passou a jogar tantas vezes já no Manchester United e depois no Everton.

“Eu joguei como um centroavante [em 2009/10] e marquei 34 gols. Eu lembro de sair de campo depois de marcar um ou dois gols e dizer: ‘Eu não sinto que joguei tão bem ou estive envolvido no jogo’. Era estranho. Esse foi realmente o momento que eu aprendi a ser mais paciente e esperar pelas minhas oportunidades”, disse Rooney. “Eu sempre quis tentar estar mais envolvido no jogo. Mas eu sabia, como centroavante, se você quisesse marcar mais gols você teria que fazer mais o seu trabalho dentro da área”.

Há 16 anos, Wayne Rooney, então com apenas 16 anos, ficou famoso por marcar um gol memorável na Premier League, que selou a primeira derrota do Arsenal depois de uma série invicta de 30 jogos. E apesar de ser um adolescente, ele disse que sabia que era o melhor jogador do time. Ficou apenas dois anos no time de Goodison Park antes de ir para o Manchester United.

“Eu estava sempre confiante. Na época, aos 16 anos, eu lembro de olhar ao redor no time principal do Everton e saber que eu era o melhor jogador. Eu sentia isso. Eu sabia, no fundo, que para eu ir além na minha carreira eu teria que ir para outro lugar”, contou Rooney. Na época, o Everton estava brigando para ficar na primeira divisão. Em seu último ano no clube, o time escapou do rebaixamento no final, ficando uma posição acima da zona do descenso.

Nos Estados Unidos, Rooney tem tido muito o que comemorar. As suas estatísticas chamam a atenção. Em 19 jogos (17 como titular), marcou 12 gols e se tornou o artilheiro do time. E ele só estreou no DC United no dia 14 de julho. Mais que os dados, porém, o que chama a atenção é como Rooney ajudou o time todo a jogar melhor. Organiza, corre, passa, finaliza. Com ele, o DC United se torna  um perigo nesses playoffs e pode causar grandes problemas aos rivais. O New York City, terceiro colocado na Conferência Leste, sentiu isso neste domingo ao perder por 3 a 1. Rooney, aliás, fez dois gols.