O Milan vinha de dois jogos repletos de emoção na Serie A. Derrotou a Sampdoria de virada no final de semana passado e, na rodada anterior, dependeu de um gol nos acréscimos do segundo tempo para bater o Genoa. Como se não bastasse, o time de Gennaro Gattuso se superou ainda mais na dramaticidade. Neste domingo, os rossoneri fizeram um jogo totalmente aberto contra a Udinese. Os dois times criaram chances para sair com a vitória na Dacia Arena e a indefinição prevaleceu até os instantes finais. O gol decisivo no triunfo por 1 a 0 aconteceu apenas aos 51 do segundo tempo. Alessio Romagnoli, herói contra o Genoa, novamente apareceu para garantir o alívio aos milanistas. O clube se mantém no G-4 da Serie A.

O Milan precisou lidar com alguns desfalques na defesa e no meio-campo, o que deixava o cenário mais aberto. O começo do jogo contou com boas chances aos dois times. A Udinese arriscava mais, especialmente com os tiros de longe de Ignacio Pussetto, enquanto Suso e Gonzalo Higuaín criaram chances do outro lado. O centroavante, porém, seria mais um motivo de preocupação aos milanistas. Sentiu lesão nas costas aos 35 minutos e precisou ser substituído por Samu Castillejo. Nada que diminuísse o ritmo forte da partida, com os dois times buscando o gol. No melhor lance antes do intervalo, o goleiro Juan Musso fez uma defesaça em arremate de Patrick Cutrone.

Os goleiros passariam a ser ainda mais exigidos no segundo tempo. Tanto Musso quanto Gianluigi Donnarumma fizeram grandes defesas, sobretudo o argentino. A pressão maior era do Milan e o arqueiro friulani parou ótimas oportunidades de Suso e Castillejo, mas Kevin Lasagna também levaria perigo à meta rossonera. A tensão se seguia e até parecia que o placar não sofreria mais alterações. Mas a decisão ficou para os acréscimos, quando o caos tomou o gramado na Dacia Arena.

Aos 49, Bram Nuytinck pegou Castillejo por trás e foi expulso. A confusão decorrente ampliou o tempo adicional e permitiu que os milanistas resolvessem já com o estouro do tempo indicado pelo árbitro. Num excelente contra-ataque, o Milan chegou com maioria na área. Demorou um pouco a definir, até que a bola veio a Romagnoli. O zagueiro dominou e fuzilou, tal qual um atacante. Provocou uma explosão na comemoração. Êxtase natural, com a adrenalina lá no alto. A vitória era rossonera.

Milagrosamente, pela primeira vez nesta Serie A, o Milan termina um jogo sem sofrer gols. E merece desfrutar suas três vitórias consecutivas. A equipe soma os mesmos 21 pontos da Lazio, ocupando a quarta colocação. A distância aos três primeiros é considerável, mas há um grande teste para o próximo domingo: o clássico contra a Juventus, no San Siro. A quantidade de atletas no departamento médico preocupa, mas os rossoneri demonstram um pouco mais de consistência neste momento para encarar o desafio. Quem sabe, para afirmar as suas pretensões, ainda que muito precise ser feito para arrumar o time. A Udinese, por outro lado, mais uma vez ronda o risco. Aparece apenas uma posição acima da zona de rebaixamento, com três pontos de vantagem ao Z-3.