Foi um apagão de 13 minutos. Se Rudi García quiser uma desculpa para a entrevista coletiva depois do jogo, pode tentar copiar um companheiro de profissão brasileiro. Ou até inventar a cartinha de uma nova Dona Lúcia, dona de casa e mamma de famiglia. Porque é impossível não associar a humilhação que a Roma sofreu no Estádio Olímpico com a goleada da Alemanha sobre o Brasil na Copa do Mundo. O Bayern de Munique não fez apenas 7 a 1 na casa do adversário, como também aniquilou os italianos no primeiro tempo. Um jogo histórico na Liga dos Campeões, ainda que sem o peso daquela semifinal de Copa do Mundo.

Muitos personagens das duas partidas até eram comuns. Neuer, Lahm, Boateng, Thomas Müller, Mario Götze. Dante, também, mas do lado vitorioso. Entretanto, quem arrebentou mesmo foi o responsável por outra derrota dolorida dos brasileiros na Copa : Arjen Robben. O melhor do Mundial de 2014 não se cansa de correr, muito menos de jogar bem. Candidato fortíssimo a terminar entre os três melhores do mundo no prêmio da Bola de Ouro. E o jogo na Cidade Eterna serve para reforçar quem defende a sua posição.

A Roma até tentou fazer um jogo de igual para igual durante o início da partida. O talento individual de Robben deixou claro que seria impossível, com um belo gol do holandês às suas características, com apenas nove minutos. Entretanto, os giallorossi tiveram até mesmo a chance do empate. Gervinho saiu na cara do gol e parou em uma grande defesa de Manuel Neuer, à queima-roupa. Até os 20 minutos de jogo, os romanistas quiseram equilibrar a posse de bola e jogar de maneira um pouco mais direta. O apagão, contudo, foi mortal.

Porque tanto quanto o Bayern se acendeu, a Roma também ficou paralisada. Yanga-Mbiwa estava plantado dentro da área, enquanto Ashley Cole deixava o corredor livre. Entre os 23 e os 36 minutos, os bávaros finalizaram seis vezes e anotaram seis gols. Lewandowski e Robben eram os mais inspirados, com Götze e Thomas Müller também participando decisivamente do massacre. Um primeiro tempo inesquecível para os alemães e também para os romanistas, que aplaudiram os adversários, apesar dos olhares estupefatos. De Sanctis, vendido na maioria dos gols, era quem mais estava abatido.

Italy Soccer Champions League

Na volta para o segundo tempo, Rudi García aproveitou para mudar. Tirou Ashley Cole, tomando um baile de Robben, para a entrada de José Holebas. E também sacou Francesco Totti, apagado na tentativa do ataque em trocar de posições constantemente. Do outro lado, porém, o Bayern também tirou o pé do acelerador. Thomas Müller deu lugar a Rafinha e o melhor da equipe passou a ser Manuel Neuer, realizando duas defesas milagrosas. Até que o time da casa finalmente descontou com Gervinho, anotando o gol de honra.

Nada que pudesse enganar a Roma. Afinal, por mais que a humilhação já tivesse se desenhado no primeiro tempo, ainda havia gente no Bayern querendo jogo. Exatamente aqueles que saíram no banco e não tinha balançado as redes ainda. Ribéry e Shaqiri completaram a noite brasileira da Roma, com Robben também acordando para terminar de orquestrar o time.

Embora deixe dúvidas em alguns jogos, o Bayern está subindo de produção novamente. E com três vitórias em três jogos, desponta com a classificação praticamente garantida em um grupo que se prometia equilibrado. Já a Roma, graças ao empate do Manchester City contra o CSKA Moscou, se mantém na segunda colocação. Com a sorte de seu apagão não custar a eliminação do torneio, por mais que ele indique a distância entre disputar a Champions e realmente competir por ela. Sensação parecida com os 7 a 1 sofridos para o Manchester United em 2007, daquela vez nas quartas de final.

Destaque do jogo

Arjen Robben. O holandês começou a partida mais recuado do que de costume, ajudando a fechar a ala direita no 3-4-3 de Guardiola. Apenas uma maneira de mascarar o potencial ofensivo do camisa 10, que comandou a goleada. Dando um show para cima de Ashley Cole, o holandês marcou dois dos cinco primeiros tentos e ainda deu uma assistência para Ribéry na segunda etapa. Atuação monstruosa daquele que, mesmo em um time tão coletivo, consegue se sobressair como grande destaque individual.

Momento chave

O apagão de 13 minutos da Roma. A voracidade que o Bayern apresentou durante o período foi vista poucas vezes em alto nível, a última delas no Mineirão. Por mais que Gervinho quase tenha empatado alguns minutos antes, a imposição dos bávaros estraçalhou qualquer esperança da Roma.

Os gols

9’/1T – GOL DO BAYERN! Lance característico de Robben. O holandês arranca pela ponta direita, dá um corte seco em Ashley Cole e chuta colocado, longe do alcance de De Sanctis.

23’/1T – GOL DO BAYERN! Götze arranca em direção da entrada da área e tabela com Thomas Müller. O atacante dá um lindo toque de calcanhar para a conclusão de Götze no canto.

25’/T – GOL DO BAYERN! Abertura na ponta esquerda com Juan Bernat. O espanhol cruza em direção ao centro da área e Lewandowski aproveita a imobilidade da defesa para concluir.

30’/1T – GOL DO BAYERN! Lewandowski enfia a bola para Robben, nas costas de Ashley Cole. O holandês invade a área e chuta em cima de De Sanctis, que rebate para dentro do gol.

36’/1T – GOL DO BAYERN! Manolas interceptou passe rasteiro com o braço. Pênalti, que Thomas Müller cobrou no canto e converteu.

22’/2T – GOL DA ROMA! Depois de muito tentar, finalmente Gervinho marca. Após bola perdida por Xabi Alonso, Nainggolan puxa contra-ataque e cruza para o marfinense, livre de marcação, completar de cabeça.

31’/2T – GOL DO BAYERN! Linda enfiada de bola de Robben, que deixa Ribéry na cara do gol. O francês finaliza com categoria para encobrir De Sanctis.

35’/2T – GOL DO BAYERN! Rafinha arrisca de fora da área e De Sanctis bate roupa. No rebote, Shaqiri aproveita o goleiro caído para fazer o sétimo.

Curiosidade

Cinco gols em 36 minutos. Apesar do pesadelo no Estádio Olímpico, este não foi o maior massacre sofrido por Rudi García em um primeiro tempo. Há duas temporadas, quando dirigia o Lille, ele tomou 5 a 0 do mesmo Bayern em 33 minutos. Só que daquela vez o jogo era na Allianz Arena, e o placar final foi um “honroso” 6 a 1 para os alemães.

Ficha técnica

Roma 1×7 Bayern de Munique

Local: Estádio Olímpico de Roma
Árbitro: Jonas Erikson (SUE)
Gols: Robben, 8’/1T; Götze, 23’/1T; Lewandowski, 25’/1T; Robben, 30’/1T; Thomas Müller, 36’/1T; Gervinho, 21’/2T; Ribéry, 33’/2T; Shaqiri, 35’/2T
Cartões amarelos: Torosidis, Nainggolan e Iturbe (Roma); Bernat (Bayern)

Roma
Morgan De Sanctis, Vasilis Torosidis, Mapou Yanga-Mbiwa, Kostas Manolas e Ashley Cole (José Holebas, no intervalo); Daniele De Rossi, Radja Nainggolan e Miralem Pjanic (Adem Ljajic, 34’/2T); Juan Iturbe, Francesco Totti (Alessandro Florenzi, intervalo) e Gervinho. Técnico: Rudi García.

Bayern de Munique
Manuel Neuer, Mehdi Benatia, Jérôme Boateng e David Alaba; Arjen Robben, Phillip Lahm, Xabi Alonso e Juan Bernat; Thomas Müller (Rafinha, 15’/2T), Robert Lewandowski (Franck Ribéry, 25’/2T) e Mario Götze (Xherdan Shaqiri, 34’/2T). Técnico: Pep Guardiola.