A Roma tem sido um dos clubes mais ativos em campanhas sobre a pandemia de coronavírus, valorizando diferentes aspectos do combate à doença. Neste final de semana, os giallorossi colocaram em prática duas grandes iniciativas. Primeiro, o clube começou a distribuição de cestas básicas aos torcedores com mais de 75 anos que compraram o carnê da temporada em 2019/20. Além disso, os romanistas também anunciaram uma série de medidas especiais para acolher e apoiar os profissionais de saúde na linha de frente durante o momento emergencial.

Desde a última sexta-feira, a Roma colocou nas ruas da cidade quatro caminhonetes personalizadas para auxiliar os idosos que torcem pelo clube. Os giallorossi visitaram as casas de cada dono de carnê de temporada com mais de 75 anos, para entregar as cestas básicas. O kit contém alimentos, suprimentos médicos de proteção e água. Também estava incluído um cachecol da equipe e uma edição da Gazzetta dello Sport.

O principal homenageado no projeto foi Eliseo Lorenzetti, de 96 anos, o mais velho dono de carnê de temporada da Roma. O veterano, nascido antes mesmo da fundação do clube, ganhou ainda uma camisa autografada por Edin Dzeko. “Agradeço imensamente pela visita”, declarou o torcedor fanático. O cuidado dos romanistas vai além do simbolismo.

Já a campanha ao redor dos profissionais de saúde foi lançada no sábado. A Roma garantiu que seu primeiro jogo com portões abertos na retomada das atividades será dedicado a esses trabalhadores. Mais de 5 mil ingressos serão distribuídos gratuitamente ao pessoal da saúde. Haverá uma cerimônia para homenagear as vítimas da pandemia. Além do mais, uma porção da renda será revertida à campanha para comprar equipamentos médicos e medicamentos aos hospitais da capital.

Durante as próximas semanas, a Roma utilizará suas redes sociais para apresentar as histórias de médicos, enfermeiros e outros trabalhadores italianos que enfrentam o coronavírus, assim como exibirá seus recados à população. Os giallorossi também prometeram introduzir um preço reduzido nos ingressos a esses profissionais a partir da próxima temporada. Até o momento, 51 funcionários dos serviços de saúde morreram na Itália em decorrência da COVID-19.

“É impossível exagerar o quanto admiramos o trabalho dos serviços médicos na Itália e ao redor do mundo. A série ‘Heróis’ é uma oportunidade ao clube e aos torcedores mostrarem nosso apreço por esse pessoal e como queremos fazer o mesmo na vida real, dentro do Estádio Olímpico, assim que o futebol retornar. Queremos prestar um tributo especial aos trabalhadores que tragicamente perderam suas vidas e celebrar os heróis absolutos que continuam a colocar os outros à frente deles mesmos para salvar vidas a cada dia”, afirmou o presidente James Pallotta.

Há duas semanas, a Roma já tinha lançado um financiamento coletivo para comprar equipamentos aos hospitais, sobretudo respiradores e camas em unidades de tratamento intensivo. Mais de €500 mil foram arrecadados entre jogadores e membros da comissão técnica. O Hospital Lazzaro Spallanzani, na capital, receberá o apoio. Os romanistas também doaram máscaras, luvas e frascos de álcool a hospitais e outras instituições da cidade.