Roberto Baggio é um personagem único. Por toda a sua história de vida, por toda a sua trajetória no futebol, pelo ser humano que é. E neste sábado, justamente no dia em que completa 50 anos, mais uma vez o italiano demonstrou o tamanho de seu coração. O veterano decidiu passar a data especial não em uma festa. Ele viajou até a cidade de Amatrice, no centro da Itália, afetada por um terremoto no último mês de agosto. Ao lado de seus familiares, ofereceu sua ajuda aos voluntários e sua solidariedade às vítimas do desastre natural.

VEJA TAMBÉM: A carta oferecida por Baggio que nos serve como verdadeira lição de vida

“Você não pode dizer, de sua casa, o que realmente está acontecendo aqui. As imagens da televisão não são suficientes. É muito emocionante para mim viver tudo isso. Quis vir pessoalmente com a minha família, então pudemos todos perceber o que tantas pessoas estão passando”, declarou Baggio, ao ser questionado sobre a sua postura, em entrevista à RepTV. “Vou manter contato com as autoridades locais para fazer algo de concreto”.

Roberto Baggio alinhou sua visita a Amatrice durante as últimas semanas, em sigilo. A informação só chegou à imprensa quando o camisa 10 já estava lá. O veterano viajou acompanhado pelos filhos. Durante a manhã, almoçou com o prefeito, com voluntários e também com parte dos desabrigados. Durante a tarde, jogou bola com as crianças locais. Já à noite, iria para outra cidade atingida pelo terremoto, onde cortará o seu bolo do aniversário.

VEJA TAMBÉM: E se Roberto Baggio nunca tivesse saído da Juventus?

“O carinho das pessoas, depois de 13 anos da minha aposentadoria, me surpreende sempre. A minha filosofia de vida se baseia na busca da felicidade. Devemos buscar a felicidade todos os dias, devemos encontrá-la dentro de nós. E, depois, se vale a pena, doá-la para o próximo”, complementou.

Roberto Baggio se dedicou a diversas ações sociais nos últimos anos. A partir de 2002, o craque se tornou um dos embaixadores da boa vontade da ONU, representando a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO). Também costuma realizar amistosos para levantar fundos a diferentes causas – como em 2008, quando ajudou o amigo e ex-companheiro Stefano Borgonovo, portador de Esclerose Lateral Amiotrófica. Já em 2010, o italiano foi reconhecido com o Prêmio Homem da Paz, entregue pela Cúpula Mundial de Ganhadores do Nobel da Paz. A homenagem veio por seus trabalhos humanitários em Myanmar e no Haiti.