Roberto Baggio: “Adoraria jogar com Guardiola como técnico. Ele é o melhor que há”

Ex-jogador foi companheiro de clube de Guardiola por seis meses e avalia que o futebol é dos jogadores e treinadores precisam saber disso

Roberto Baggio é um dos jogadores mais marcantes da sua época. O rabo de cavalo se tornou a sua marca, assim como os dribles e o que ele era capaz de fazer com a bola. Aos 53 anos, Baggio está aposentado desde 2004 e teve uma carreira atuando pelos três times mais populares da Itália: Juventus, Milan e Inter, além de ter brilhado com a camisa da seleção italiana. O camisa 10 revelou que adoraria jogar para o técnico Pep Guardiola, de quem foi companheiro como jogador por um curto período.

[foo_related_posts]

“Futebol é e sempre será para os jogadores”, afirmou Baggio, em entrevista à revista Vanity Fair. “Os melhores técnicos são aqueles que conhecem isso e sabem como tratar os jogadores com honestidade, como falar com eles, como manter respeito e discutir questões técnicas”.

“Eu adoraria trabalhar com um técnico assim. Você pode aprender sobre táticas estudando, mas é mais difícil encontrar as qualidades humanas”, continuou o jogador com rabo de cavalo mais famoso do mundo. “Um técnico atual com quem eu adoraria jogar é Guardiola. Eu acho que ele é o melhor que há”. Os dois foram companheiros de clube no Brescia em 2003, por apenas seis meses, de janeiro a junho, quando o catalão se transferiu para o futebol do Catar, no Al-Ahli.

Baggio ganhou a Bola de Ouro e prêmio de melhor do mundo da Fifa em 1993, conquistou dois títulos da Serie A (1994/95 pela Juventus e 1995/96 pelo Milan), a Copa da Itália (1994/95, pela Juventus) e uma Copa da Uefa (1992/93, pela Juventus). Pela Azzurra, porém, passou perto, mas não ganhou a Copa. Em 1990, jogando em casa, a Itália foi derrotada pela Argentina de Diego Maradona na semifinal. Em 1994, a Itália foi até a final graças especialmente a Baggio, mas perdeu a disputa de pênaltis para o Brasil, com ele errando a cobrança decisiva.

“Ainda ter um lugar no coração das pessoas, esse é o maior resultado que qualquer atleta pode atingir. Representar valores positivos, dar momentos de alegria, isso vale mais que um resultado em campo, porque algumas vezes os resultados podem ser transformados pela má sorte”, disse Baggio. “Isso não significa que os troféus não são importantes, no final do dia nós todos jogamos para vencer, mas não pode ser tudo”.

Por ter atuado nos três clubes mais populares da Itália, e por ter feito uma bela carreira pela seleção italiana, Baggio é um ídolo de várias torcidas e do futebol do país como um todo. Lembrado pela sua magia, marcou época, coração e a história do esporte que atuou.