A saída de Robert Moreno da seleção espanhola permanece com muitas arestas a se aparar. Antigo auxiliar de Luis Enrique, o catalão assumiu a Roja quando o treinador se afastou do cargo e indicou que aceitaria retornar ao seu posto de assistente, caso o colega resolvesse voltar. Moreno conquistou a classificação à Eurocopa e, no fim das contas, quando a federação acertou a recontratação de Luis Enrique, o ex-assistente optou por um intempestivo rompimento. Ao final, a situação delicada culminou em trocas de acusações e na própria inimizade entre os antigos companheiros. Agora, a chance de Moreno se redimir acontecerá na Ligue 1. O catalão foi anunciado neste sábado como novo treinador do Monaco.

Moreno trabalhou como assistente de Luis Enrique por quase uma década. Juntou-se ao treinador nos tempos de Roma e o acompanhou também no Celta e no Barcelona. Já em 2018, aceitou o convite para mais uma empreitada na seleção espanhola. Quando o técnico principal precisou se ausentar do posto, para cuidar da saúde de sua filha, o assistente abraçou a missão e foi muito bem à frente da Espanha em 2019. Moreno não apenas manteve um aproveitamento excelente, com sete vitórias e dois empates em nove compromissos. Ele também garantiu a presença do país na Euro 2020 e ajudou a dar uma cara ao time em processo de transição.

Deixando de lado os problemas que ocorreram em sua saída, Moreno indicou sua competência. Era uma aposta pipocando no mercado europeu. E o Monaco terminou por contratá-lo nesta breve pausa de inverno no Campeonato Francês. Os monegascos, que começaram a temporada outra vez ameaçados pelo rebaixamento, já tinha ascendido na tabela e aparecem em condições de lutar por uma vaga na Champions League. Todavia, a diretoria preferiu mais uma vez romper os laços com Leonardo Jardim.

Desta vez, a despedida de Jardim não se deu tanto pelo baixo rendimento, como em outubro de 2018. As relações desgastadas tornaram-se bem mais decisivas à demissão do português, recontratado em janeiro deste ano. Jardim permanecia concedendo privilégios a medalhões do elenco e a postura da equipe dentro de campo não agradava, distante de apresentar o futebol atrativo que consagrou os alvirrubros em 2017/18. Precisando de um novo projeto esportivo, o clube do principado admitiu seu erro ao buscar de volta o antigo comandante. Com isso, também aliviaram sua folha salarial.

Roberto Moreno representa uma aposta. E isso também não é exatamente novo no Monaco, com a péssima experiência de Thierry Henry em 2018. Diferentemente do ex-atacante, Moreno possui sua experiência anterior como treinador principal. Porém, ela é relativamente curta e não parece embasar sua sequência. De qualquer maneira, o espanhol não estará inserido em uma zona de conforto como Henry. Terá que se provar com resultados.

Eliminado pelo Lille na Copa da Liga Francesa, o Monaco se redimiu contra o próprio Lille em sua despedida na Ligue 1 em 2019, ao golear os Dogues por 5 a 1 durante a última semana. A situação na tabela é razoável. Na sétima posição, os alvirrubros estão a cinco pontos da zona de classificação à Champions. Além disso, possuem um elenco de qualidade. Resta saber qual será a postura de Moreno para limar os astros que não rendem mais e para acertar o time sem recorrer ao mercado de transferências.

Há jogadores consagrados em todos os setores do Monaco, além de várias jovens opções na linha de frente. Alguns atletas contratados recentemente passaram a render bem, com menção especial à ótima fase de Wissam Ben Yedder. Só que a transição dos alvirrubros parece ter sido feita pela metade, sem se desvencilhar totalmente das ideias de Leonardo Jardim. O novo treinador pega o bonde andando e terá seis meses probatórios até desenvolver algo mais amplo no principado a partir de 2019/20.

Neste momento, avançar à Liga Europa parece de bom tamanho ao Monaco, ainda que o investimento recente da diretoria cobre uma vaga na Champions. A tarefa de Robert Moreno será apresentar o real potencial de uma equipe tão oscilante. Ao mesmo tempo, o ex-assistente de Luis Enrique terá uma oportunidade para se provar. Após todas as rusgas na seleção, esta não deixa de ser uma oportunidade interessante para o catalão apresentar o seu real talento na casamata. Poderá passar uma borracha nas trocas de acusações e fazer valer as virtudes pelas quais pleiteava seu lugar na seleção.