Pouco importará o sorteio da próxima sexta-feira. Independente de qual for o chaveamento, as semifinais da Liga dos Campeões guardarão dois encontros espetaculares. Ótimo se a sorte determinar um clássico de cada lado. O Barcelona com o Real Madrid entalado na garganta e o Bayern Munique revertendo a freguesia para o Borussia Dortmund das últimas temporada. O que também não desmerece dois confrontos espetaculares entre alemães e espanhóis.

Assim como aconteceu nas oitavas de final, a definição dos classificados nas quartas não trouxe tantas surpresas. Curiosamente, o confronto que prometia ser mais equilibrado, entre Bayern e Juventus, foi o mais monótono. O Barcelona precisou sacrificar Messi para superar o Paris Saint-Germain, enquanto que, de maneiras diferentes, Real Madrid e Dortmund passaram por apuros na terça-feira.

Pesou a força daqueles que podem ser facilmente considerados os clubes mais fortes da Europa na atualidade – Manchester United e Juventus talvez brigassem por um posto nesse grupo, mas não justificaram na competição. Embora Bayern e Barcelona tenha se distanciado na liderança de suas ligas nacionais nesta temporada, nenhum dos dois despreza a qualidade de Real Madrid e Dortmund, seus algozes em 2011/12. E, se bávaros e catalães sobram tanto no terreno doméstico, também dá para dizer que merengues e aurinegros fazem campanhas mais sólidas no terreno continental.

E, acima das rivalidades internas, fica a espera entre mais um tira-teima entre Alemanha e Espanha , o que invariavelmente acontecerá, seja nas semifinais ou na final. Dois modelos distintos de gestão que entram em choque. Enquanto La Liga turbina seus gigantes com o dinheiro da TV e passa a mão na cabeça em relação às dívidas, a Bundesliga preza por uma divisão igualitária de ganhos e gestões administrativas mais austeras – o que não também não tem impedido o abismo entre grandes e médios.

Se as derrotas do Nationalelf contra a Fúria se tornaram recorrentes nos últimos tempos, Bayern e Dortmund demonstraram ao longo do último ano que a relação pode ser diferente entre os clubes. Nada que diminua o peso da camisa e os elencos estrelados de Real e Barça. Nesta altura, qualquer prognóstico sobre quem será o campeão tem margem de erro imensa. O que só aumenta as expectativas pelos cinco jogaços que a Champions guarda até o dia 25 de maio.