Um dos grandes nomes do Boca Juniors na história da Libertadores atende por Juan Román Riquelme. O histórico camisa 10 xeneize deu entrevista falando sobre o Superclásico (assim, com um ‘s’ apenas, já que é em espanhol), que será disputado em Madri. O ex-jogador, de 40 anos, falou sobre a sua tristeza em ver o jogo ser transferido para a Espanha, mas também sobre a oportunidade dos jogadores dos dois times em jogar uma partida desse tamanho em um estádio que é, no fim das contas, também importante no futebol mundial.

LEIA TAMBÉM: Infantino lamenta incidente na final da Libertadores e atribui jogo em Madri à Conmebol

“O Superclásico, em algum momento, terá que voltar a ser jogado na Argentina. O que vamos fazer para que se jogue o próximo Boca x River? Teremos que jogar em outro país? Penso que que não vai ser o mesmo. Por mais que eu queira que o Boca vença, creio que a final tem que ser jogada no nosso país. Eles tiraram isso de nós. Vai ser o amistoso mais caro da história”, disse o ex-jogador do Boca.

Riquelme foi crítico e lamentou que o jogo, o mais esperado e que tantas vezes foi chamado do Superclásico mais esperado da história, foi tirado dos argentinos. O segundo jogo da final em Madri deixa no craque xeneize a sensação de terem tirado algo do país. “É estranho e acontece com todos. Há poucas coisas que são nossas, como o churrasco, o mate e o doce de leite. E acabaram de nos tirar o Superclásico, não é nada bonito”, disse o ex-camisa 10.

Apesar de lamentar a mudança do jogo para Madri, o ex-jogador lamentou também o que aconteceu, com as pedras atiradas contra o ônibus do Boca que geraram todo o problema que culminou no adiamento do jogo. “Foi muito estranho e muito feio o que aconteceu. Não quero que meus filhos se acostumem com essas coisas que acontecem aqui. Sonhava com o Boca ser campeão no campo do River e que eles respeitassem se conseguíssemos ganhar”, disse.

“O que aconteceu não é normal… A poucos dias todos tínhamos medo de que acontecesse algo com o G-20 e parece que foi tudo perfeito. É uma tristeza muito grande porque era nossa festa, para terminar o ano da melhor maneira”, opinou o craque.

“Puseram o futebol argentino no topo, mas é triste que se jogo em outro país. A final já não é o mesmo, é como se a final da Champions League fosse jogada aqui. É como uma derrota para o futebol argentino. É lamentável que uma equipe de futebol não possa chegar a um estádio, ao ver que levam para a Europa, se perdeu tudo. A final só será jogada porque um tem que ir para o Mundial de Clubes”, desabafou Riquelme.

Apesar de toda a situação que é triste e levou o jogo a Madri pelas mãos dos dirigentes, Riquelme disse que se colocou no lugar dos jogadores e os invejou poder jogar uma partida importante em um estádio lendário como esse. “Será porque jogam em um estádio novo, um país diferente, com jogadores que seguramente jogarão pela primeira vez na Europa. Há jogadores que vão cumprir o sonho de jogar no estádio do Real Madrid. Aquele que se sentir melhor, aquele que se sinta mais confortável vai sair em vantagem”, afirmou.

“Os 25 jogadores, ou 20, que cada plantel tem são sortudos. Quando se é criança se pensa em quem sabe um dia jogar um Superclásico, quem sabe jogar uma Libertadores, quem sabe jogar no campo do Real Madrid. Esses jogadores são sortudos. Desde criança se sonha com isso. Dá um pouco de inveja. Uma final de Libertadores contra o River no Real Madrid. Espero que seja uma boa partida e que o Boca possa ganhar”, disse o ex-jogador.

“Os Superclásicos são partidas mais parelhas. O time da casa sempre tem a vantagem, mas agora se jogará em outro país. River é uma boa equipe e Boca, se não é vistoso, têm muito gol. Boca não precisa jogar bem para marcar um gol. Aconteceu na Bommbonera, aconteceu em Avellaneda [no domingo, pelo Campeonato Argentino]. Se tivermos a sorte de que encontre um gol rápido, pode ficar com a partida. Do nada faz um gol”, disse.

Por fim, ele também falou sobre como o Superclásico é difícil de prever por ser algo tão diferente do resto. “Tem muita coisa em jogo. O superclásico é diferente de tudo. Por aqui, termina ganhando aquele que não vem jogando muito bonito. No outro, terminou 2 a 2 com dois erros das equipes nos quatro gols. [Carlos] Izquierdoz se equivocou nos dois gols do River e [Franco] Armani nos dois do Boca. É raro que isso aconteça em um Superclásico”, disse Riquelme.

River Plate e Boca Juniors se enfrentam no próximo domingo, dia 9 de dezembro, às 17h30 no horário de Brasília. O jogo terá transmissão de Fox Sports e SporTV.