O meia Juan Román Riquelme anunciou na noite desta quarta-feira, em entrevista ao programa “Telenoche”, do Canal 13 de seu país, sua aposentadoria da seleção Argentina. Segundo o jogador do Villarreal, o motivo que o levou a tomar tal decisão foi a saúde de sua mãe.

“Desde que terminou o Mundial, minha mãe já foi internada duas vezes e é minha responsabilidade cuidar dela”, afirmou. “Não acho isso lindo, mas não foi a decisão mais complicada de se tomar. Não sou ninguém para fazê-la sofrer.”

A notícia chocou a mídia e a torcida argentinas, uma vez que o meio-campista tem apenas 28 anos e não sofre de nenhum problema físico crônico. Camisa 10 da Argentina durante a Copa do Mundo, Riquelme fez sua despedida da equipe na derrota por 3 a 0 para o Brasil no início do mês, quando teve uma atuação apagada e chegou a ser criticado.

O jogador, que falou com a TV argentina direto de Villa Real, na Espanha, afirmou também que conversou com o técnico Alfio Basile antes de anunciar sua decisão. “Minha obrigação era comunicá-lo e agradecer por ter me chamado para sua primeira partida. Foi uma conversa muito curta e lhe disse o que pensava. Ele parece ter entendido”, completou.

“Espero apenas que todos entendam minha maneira de ser e de viver”, pediu também o meio-campista, que começou sua carreira no Boca Juniors, antes de se transferir para o Barcelona com status de “novo Maradona” e acabar no Villarreal, com o qual chegou à semifinal da última edição da Liga dos Campeões.

Riquelme estreou na seleção Argentina em 16 de novembro de 1997, no empate por 1 a 1 com a Colômbia. Disputou 37 partidas e marcou oito gols. Jogou apenas cinco jogos em Mundiais, todos em 2006, quando a Argentina caiu diante da Alemanha, nos pênaltis, nas quartas-de-final. Nas categorias de base, conquistou o Sul-Americano e o Mundial Sub-20, ambos em 1997.