O experiência zagueiro Rio Ferdinand acredita que o Manchester United, clube que defende desde 2002, se tornou mais importante que a seleção inglesa, pelo seu apelo global. Apesar disso, o jogador disse que representar o país é um dos pontos altos da sua carreira.

Ferdinand não vem sendo chamado por Roy Hodgson e seu último jogo pela seleção inglesa foi no dia 4 de junho de 2011, quando enfrentou a Suíça pelas eliminatórias para a Eurocopa de 2012, ainda com Fabio Capello no comando da equipe.

Hodgson deixou Ferdinand de fora do elenco que foi à Euro depois da polêmica envolvendo o seu irmão, Anton, que acusou John Terry, que seria companheiro de zaga de Ferdinand na seleção, de racismo. O caso foi parar na justiça comum, que absolveu Terry logo depois da Euro. Apesar dessa polêmica, o técnico da seleção inglesa afirmou que deixou Ferdinand fora da lista “por razões futebolísticas”.

“Jogar pela Inglaterra tem sido um dos pontos altos da minha carreira”, afirmou Ferdinand ao jornal inglês The Sun.  O zagueiro ainda diz que conversou com Nicky Butt sobre o interesse do Manchester United em levá-lo.

“Antes de assinar pelo United em 2002, eu lembro ter conversado com Nicky Butt na Copa do Mundo do Japão”, contou o zagueiro. “Ele disse, ‘se você pensa que é muito acompanhado na seleção inglesa, espere até assinar com o United’. Eu não entendi realmente na época, mas ele estava absolutamente certo”, disse ainda o jogador. “Quando você vai para a Ásia com o United é incrível. O interesse é muito maior do que qualquer coisa que vivi com a seleção inglesa”, declarou.

O Manchester United foi o primeiro clube a alcançar a ser avaliado em mais de € 2 bilhões.