Richarlison: “Sonho muito em jogar uma Copa e preciso dar meu máximo, porque quero ir ao Catar como titular”

Richarlison chega ao início das Eliminatórias em alta. O atacante vem sendo uma das grandes figuras do Everton na Premier League, ainda que James Rodríguez e Dominic Calvert-Lewin se destaquem mais na excepcional campanha do time de Carlo Ancelotti. Nesta terça, o brasileiro concedeu uma longa e interessante entrevista ao site da Fifa. Falou não apenas sobre o momento do Everton, como também sobre suas pretensões com a Seleção. Além do mais, confessou sua paixão por Copas do Mundo. Abaixo, traduzimos os principais trechos. Confira:

As memórias das Copas do Mundo

“Eu era muito novo, mas a lembrança que mais vem à memória para mim é da Copa de 2002. Aquele gol do Ronaldo, no qual o Rivaldo deixou a bola passar por entre as pernas e ele bateu no canto. É uma memória inesquecível para mim. Assisti a todas as Copas desde então. Obviamente, vi a Copa que foi no Brasil em 2014. Vi praticamente todos os jogos. Realmente queria ir a um jogo no estádio, mas eu era muito novo, então assistia no clube onde estava jogando. Lembro-me perfeitamente de todos os gols que foram realmente lindos. A cabeçada de Van Persie, o gol de Robben contra a Espanha, o voleio de James… Fiquei muito feliz por poder acompanhar a Copa no meu próprio país. Foi realmente um grande torneio para acompanhar”.

O sonho de jogar ao lado de James

“Já realizei muitos sonhos pelos quais sou grato. Jogar ao lado de James é mais um. Sonhei inúmeras vezes em jogar pela Seleção, desde pequeno. Jogar ao lado de Neymar, Coutinho, de todos os jogadores da Seleção, é um grande sonho para mim. Gabriel Jesus é outro. Somos da mesma idade e, quando eu estava nas seleções de base, ele já era uma estrela jogando pelo time principal, então ele foi uma fonte de inspiração para mim”.

O objetivo rumo a 2022

“Sonho muito em jogar uma Copa. É um sonho que tenho desde criança. É o sonho de infância de qualquer jogador brasileiro. Amo a Copa do Mundo. É um torneio fantástico, que envolve o mundo todo. Assisti a todas como torcedor do Brasil e fã de futebol, então espero que 2022 seja minha primeira Copa como jogador. Obviamente, a Seleção tem muito a fazer até lá. Temos que passar pelas Eliminatórias, que não são fáceis. Devemos nos preparar bem e nos manter focados. E eu preciso dar meu máximo, trabalhar duro, procurar aprender, porque quero ir à Copa como titular”.

As dificuldades das Eliminatórias

“Quando as outras seleções enfrentam o Brasil, elas melhoram seu jogo. Todo mundo quer vencer o Brasil. Isso torna as Eliminatórias mais difíceis. E há muitos times fortes na América do Sul. Não é só Brasil, Argentina e Uruguai. São sempre times diferentes se classificando e veja como Colômbia, Chile, Paraguai e Equador impressionaram em Copas recentes”.

O pombo no Catar

“A dança do pombo é minha marca registrada! Logicamente eu já me imaginei fazendo essa comemoração na Copa. Os torcedores realmente gostam dela, especialmente as crianças. Fiz isso pela Seleção com o Neymar, faço pelo meu clube e quero marcar gols e repetir a dança muitas vezes na Copa de 2022”.

Como prefere atuar

“No Everton, Ancelotti gosta de usar o 4-4-2. Jogo como centroavante. Disse a ele que é onde gosto de jogar. É onde eu atuava quando comecei no América Mineiro. Sinto o meu melhor lá. Quando jogo na ponta esquerda, geralmente é porque temos algum desfalque. Darei tudo de mim ali, daria em qualquer posição, mas prefiro jogar como centroavante. Já disse isso ao professor Tite, mas cabe a ele e a Ancelotti tomarem a decisão. O mais importante para mim é jogar e dar tudo pela camisa”.

Como é trabalhar com Ancelotti

“Ancelotti é um cara que ganhou tudo no mundo do futebol. Ele é uma inspiração para incontáveis treinadores. Tite passou algum tempo com ele no Real Madrid. É uma grande honra jogar para um dos maiores treinadores da história. Sou muito grato por ter a oportunidade de aprender com ele no Everton e sinto que ele me melhorou bastante. Ele também traz um ambiente muito alegre para os jogadores trabalharem”.

A parceria com Dominic Calvert-Lewin

“O desenvolvimento de Dominic tem sido realmente impressionante. Ele se transformou em um atacante completo. Eu me lembro de quando cheguei ao Everton, ele não era parecido com o jogador que é hoje. Isso veio com o trabalho que ele realiza. Está na academia todos os dias, sempre aprimora as finalizações. E jogar com Ancelotti o fará cada vez melhor. Ele vive um excelente início de temporada e sem dúvidas mereceu a convocação à Inglaterra. Deve ser um pesadelo jogar contra ele, ele tem um salto incrível como o de Cristiano Ronaldo”.

Richarlison e Dominic Calvert-Lewin, do Everton (Foto: PAUL ELLIS/AFP via Getty Images/One Football)

O impacto de James

“James é um talento muito especial. Ele é o camisa 10 da seleção colombiana, tem uma carreira excelente – Real Madrid, Bayern, Porto. Ele jogaria em qualquer time da Premier League. Assisto a muitos jogos da liga, qual time não gostaria de ter James? Ele faz um início brilhante no Everton e realmente espero que continue para alcançarmos nossos objetivos na temporada”.

As metas do Everton

“Queremos ganhar uma taça. Os torcedores são realmente apaixonados e esperam por isso há muitos anos. Acho que agora que temos Ancelotti e com as contratações que fizemos, podemos ganhar uma copa e lutar por um lugar na Champions. Obviamente, isso é difícil na Inglaterra, porque você tem seis grandes times, mas somos diferentes em relação à última temporada. Tivemos muitas lesões e agora contratamos jogadores de qualidade em posições que precisávamos. Nosso início é realmente empolgante e Ancelotti nos mantém focados, nos motiva. Eu acredito que podemos nos classificar à Champions”.

O clássico contra o Liverpool em 17 de outubro

“O dérbi é muito importante, por mais que valha três pontos como qualquer outra partida. A cidade inteira para e queremos vencer para manter nossa boa forma e dar felicidade aos torcedores do Everton. Sei que é um jogo que empolga muito a torcida e é um dia especial para nós também, porque estamos em boa forma e podemos jogar muito bem. Sabemos que vamos enfrentar um grande oponente, um dos melhores times da Europa e que está machucado pela última derrota. Mas temos que fazer nosso jogo, tentar nos impor e conseguir os três pontos”.

Como é viver na Inglaterra

“O que mais gosto na Inglaterra é o futebol. Sempre digo aos meus amigos que não quero sair daqui tão cedo, porque é o melhor futebol do mundo. Algumas coisas são difíceis (o clima é muito diferente, as pessoas não falam tanto quanto no Brasil), mas eu amo o futebol daqui”.