O Everton conseguiu uma grande vitória sobre o Chelsea no Goodison Park, neste domingo. O placar de 2 a 0 veio como um prêmio para o time que fez um grande segundo tempo, mas deu um pouco de sorte também no primeiro tempo, depois de resistir aos Blues no primeiro tempo. O brasileiro Richarlison foi fundamental na vitória. Fez o primeiro gol e sofreu o pênalti do segundo. Foi o primeiro gol do brasileiro contra times do chamado “big six”, os seis maiores da liga, assim como foi a primeira vitória dos Toffees diante de um adversário desse mesmo grupo.

LEIA TAMBÉM: Liverpool ficou devendo futebol, mas arrancou vitória crucial contra Fulham na disputa pelo título

O placar, porém, passa longe de contar a história do jogo. O Chelsea foi bastante superior no primeiro tempo, em todo o tempo, e criou chances para abrir o placar e até fazer um segundo gol. Aos seis minutos, Hazard chutou de forma perigosa, da ponta esquerda, e acertou a trave.

Gonzalo Higuaín teve uma excelente chance ao receber nas costas da defesa, mas acabou travado na última hora e o chute não foi na direção do gol. O time ainda conseguiu chutes de fora da área, como em um lance combinado de Jorginho com Higuaín, que ajeitou para o brasileiro chutar. Jordan Pickford defendeu, sem problemas. Hazard, sempre perigoso, foi uma arma importante pela esquerda e causou problemas à defesa do Everton. Os times foram para o intervalo com a sensação que o Chelsea estava mais perto da vitória.

Se no primeiro tempo o Chelsea mandava no jogo, no segundo o Everton foi quem tomou conta dos primeiros minutos. Criou chances e abriu o placar rapidamente, aos três minutos. André Gomes chutou de fora da área e o goleiro Kepa mandou para escanteio. Na cobrança, Sigurdsson cobrou, Calvert-Lewin cabeceou, Kepa defendeu e, no rebote, Richarlison tocou de cabeça para marcar 1 a 0.

As coisas complicaram mais ainda para o Chelsea aos 25 minutos. Richarlison chegou antes em uma bola dentro da área e Marcos Alonso, atrasado, derrubou o brasileiro. Sigurdsson o pênalti, mas Kepa defendeu. Só que no rebote, o próprio islandês, com tranquilidade, tocou para a rede. Azar do goleiro espanhol, que fez o mais difícil.

A boa atuação do time no primeiro tempo não passou nem perto de ser repetida. O time se desesperou com o placar adverso, tentou tudo na base do desespero e errou demais, muito mais do que o aceitável para um time com os recursos que tem. O Everton, que cresceu com o gol, conseguiu manter-se bem na disputa até o fim do jogo.

Destaque para as atuações dos defensores do Everton. Yerry Mina, que foi titular, foi bem, assim como Michael Keane. Os laterais Seamus Coleman e Lucas Digne também foram bem. No meio-campo, Idrissa Gueye foi bem se antecipando bem na marcação e dando trabalho para os jogadores do Chelsea na partida.

O Chelsea, de Maurizio Sarri, teve uma atuação sem brilho mais uma vez. Hazard foi o melhor do time, mas sem conseguir atuar bem no segundo tempo, mesmo caso de Pedro. Jorginho foi bem no seu setor, ajudando a construir jogo, especialmente no primeiro tempo. A defesa, porém, não foi bem e nem os meio-campistas N’Golo Kanté e Ross Barkley.

A derrota é terrível para o Chelsea, porque o time fica com 57 pontos, um a menos que o Manchester United, quinto colocado. O Arsenal, quarto, tem 60. Já o Everton está em 11º, com 40 pontos.