O Everton segue em uma trajetória de ascensão. Desde a chegada de Carlo Ancelotti, o time conseguiu inverter uma tendência ruim que tinha desde o começo da temporada até o fim do ano com o antigo treinador Marco Silva. Na primeira metade da temporada, o time parecia um candidato ao rebaixamento, e não a uma vaga europeia. Agora, é um time para brigar na parte de cima. Com consistência, venceu, neste sábado, o Crystal Palace por 3 a 1, com uma ótima atuação do brasileiro Richarlison.

O técnico Carlo Ancelotti armou o time em um 4-4-2 bastante tradicional, com dois atacantes e duas linhas de quatro. Dois brasileiros estavam na escalação inicial do italiano: Bernard, atuando pelo lado esquerdo do meio-campo, e Richarlison, um dos atacantes do time.

Aos 18 minutos, Walcott tabelou com Sigurdsson, recebeu e, na linha de fundo, cruzou para a área. A bola passou por todo mundo e caiu na segunda trave. Quem completou, pegando bonito de primeira, foi Bernard, que marcou: 1 a 0.

O Everton foi melhor ao longo do primeiro tempo, mas o jogo permanecia aberto. Theo Walcott, autor do cruzamento para o gol de Bernard, acabou deixando o campo aos 26 minutos, machucado. Deu lugar ao lateral Djibril Sidibé, que atuou mais avançado no campo. No final do primeiro tempo, houve um pedido de pênalti em Zaha, em um lance bastante estranho. No fim, o árbitro não deu nada.

No início do segundo tempo, o Crystal Palace tentou pressionar e criou uma boa chance com Zaha, que acabou desperdiçando. Só que logo depois, o time visitante conseguiu o gol. Em um lance com Zaha caindo pelo meio, ele tocou para Benteke entrar pela direita. O atacante belga, em jejum na Premier League, sem nenhum gol nesta temporada, chutou no canto do goleiro Pickford, que falhou: 1 a 1, logo a seis minutos. Foi o seu primeiro gol desde abril de 2019.

Os minutos seguintes ao gol foram do Crystal Palace se empolgando, indo para cima e perdendo uma chance com Benteke. O placar não ficaria empatado por muito tempo, porém. Aos 13 minutos, depois de um chutão para frente, o atacante Calvert-Lewin raspou de cabeça para Richarlison, que avançou como um trator. Passou pela marcação, entrou na área e tocou, com precisão, no canto: 2 a 1 para o Everton.

Bernard, que fazia bom jogo, acabou deixando o campo por lesão. Foi substituído por Tom Davies. O Crystal Palace teria uma grande chance na cabeça de Benteke, que recebeu cruzamento e conseguiu cabecear com liberdade, quase em cima do goleiro Piackford, que fez grande defesa e impediu um novo empate.

Do outro lado, foi a vez de Guaita salvar o Crystal Palace. Sigurdsson entrou driblando dentro da área e chutou, quase sem espaço, de biquinho. Guaita conseguiu uma defesa difícil para impedir o gol do islandês.

Só que aos 43 minutos, não teve jeito. Richarlison subiu de cabeça para cabecear, a bola bateu na trave e sobrou para Dominic Calvert-Lewin, embaixo da trave, e ele só empurrou para a rede com a bola no alto: 3 a 1 para o Everton, que, àquela altura, decidia o jogo. Foi o seu sexto gol sob o comando de Carlo Ancelotti. É um dos jogadores que mais notadamente melhorou o seu desempenho com o novo treinador. E ainda daria tempo de ele perder outro gol, mais uma vez depois de uma finalização perigosa de Richarlison defendida por Guaita. No rebote, Calvert-Lewin estava livre, mas tocou muito mal para mandar por cima do gol.

Desde que Ancelotti assumiu o comando do Everton, no dia 26 de dezembro, em pleno Boxing Day, o clube melhorou seus resultados. São cinco vitórias, dois empates e uma derrota – e para o Manchester City, fora de casa, por 2 a 1.

Quando Ancelotti assumiu, o Everton era 15º colocado, com 19 pontos e a quatro da zona do rebaixamento. Com o italiano, o time subiu para sétimo lugar, com 36 pontos, e está a cinco pontos da zona de classificação à Champions League. Parece mais condizente com um time que investiu no seu elenco nos últimos anos.

Classificações Sofascore Resultados