Ricardo Teixeira pediu licença médica do cargo de presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). O mandatário fez o comunicado às federações no final da tarde desta quinta-feira. A informação foi confirmada pela CBF.

Com isso, quem assume a presidência interinamente é José Maria Marin, vice-presidente da região sudeste mais velho. Com 79 anos, Marin é mais conhecido por sua atuação política do que pelo futebol. Confira a matéria da Trivela que apresenta o dirigente.

A saída de Teixeira é especulada desde o mês passado. A notícia causou uma disputa nos bastidores pelo poder na entidade. Os presidenciáveis se mexeram para tentar ganhar o seu espaço com a possibilidade de saída do dirigente máximo do futebol brasileiro, como mostrou matéria de Pedro Venancio.

A licença médica irá acabar. A pergunta é: Ricardo Teixeira volta? Como fica o COL, do qual também é presidente? Além disso, olhando para quem pode assumir o cargo, as perspectivas não são animadoras. Não há um dirigente que seja confiável, ou que tenha credibilidade para promover as mudanças que o futebol brasileiro precisa. Ao menos é o quadro de momento.

A saída de Teixeira, ainda que temporária, porém, pode representar um início de mudança. As disputas políticas podem dar chance a surgir alguém novo. E, mais, quem entrar no poder, ainda que não seja confiável, dificilmente terá a mesma força de Teixeira para manter-se no cargo. É uma mudança. E você, o que acha que isso muda?