Cada jogador tem a sua fórmula do sucesso, e a do Lewandowski é bastante simples: muito trabalho e atenção à dieta. Em entrevista à revista France Football, o goleador do Bayern de Munique discutiu seu ofício como atacante e quais os desafios para se ter uma partida bem-sucedida, com bola na rede. Em seu caso, tudo se resume à automatização de seus gestos perto do gol e à dieta.

Com o tento que garantiu a vitória por 1 a 0 e o oitavo título consecutivo de Bundesliga aos bávaros na terça-feira (16), Lewandowski chegou a 31 só no Campeonato Alemão da atual temporada, quebrando seu recorde e igualando a melhor marca na competição nos últimos 43 anos – neste período, apenas Aubameyang, em 2016/17, conseguiu o mesmo.

Se Lewandowski, como um bom vinho, parece apenas melhorar com o tempo, existe um motivo para isso. Aos 31 anos, acumula não apenas experiência, mas também técnica, desenvolvida a partir da repetição incansável nos treinos. Isso, aliado à concentração, explica seu faro de gols quase sem igual.

“Em uma partida, não é simples (marcar gols). Especialmente quando você está cansado. Em 90% dos gols, é a mente que funciona, e o seu nível de concentração influencia. Se você está cansado, automaticamente, seu reflexo é mais lento. E o tempo-espaço não é reduzido. Na área, temos apenas 0,1 segundo, talvez 0,2 segundo, para refletir, tomar a decisão e interagir com a bola. É aí que se resume ao treinamento, porque não tem outro lugar para construir movimentos automáticos e finalizações automatizadas. Seja de pé esquerdo, pé direito, pouco importa. É preciso estar pronto. Nem pense nisso, apenas vá lá e faça”, explicou.

Além da repetição, Lewandowski atribui a boa forma ao seu cuidado com a alimentação. Especificamente falando, o polonês explica como sua dieta no dia de uma partida pode influenciar sua atuação.

“Não como carne em dia de jogo. É pesado demais para o meu corpo. Então, como coisa leve, é disso que preciso. A refeição depende de várias coisas: quando é o jogo, a que horas… Se você come arroz ou massa, isso lhe traz grandes benefícios em termos de energia a curto prazo. Mas, a longo prazo, você não ganha nada com isso. O mais importante é que, em casa ou depois do jogo, façamos essa etapa suplementar. Claro, se você tentar isso pela primeira vez, não verá efeito algum. Mas, juntas, essas atenções tomam sentido, e é aí que os benefícios vêm.”

Campeão da Bundesliga, classificado para a final da Copa da Alemanha e parte de uma equipe que, por ora, é a favorita na Champions League, Lewandowski, o destaque individual deste time brilhante de Hansi Flick, poderia se dar o direito de sonhar com uma possível Bola de Ouro, mas o centroavante não parece se preocupar muito com isso.

“Estive na cerimônia de premiação no ano passado. Bom, veremos. O que sempre tento fazer é mostrar o meu melhor, vencer títulos e marcar mais gols. Mas isso (a Bola de Ouro) vem com troféus coletivos, isso é o mais importante. Não penso na Bola de Ouro, mesmo que, na minha vida, acredito que tudo seja possível”, comentou.

Se o desempenho na Bundesliga é impressionante e o credencia a ser candidato a premiações, os números completos na temporada são ainda mais admiráveis. Na Champions League, por exemplo, soma 11 gols em apenas seis partidas. Combinando todas as competições, são incríveis 46 tentos em 30 jogos. Em uma época normal, sem a concorrência de foras de série como Messi e Ronaldo, Lewa poderia perfeitamente brigar com força pela maior honraria individual reservada aos jogadores de futebol.