Remontando a história

Quarenta e nove jogos. Quarenta e quatro derrotas, cinco empates e nenhuma vitória. Esse era o cartel dos clubes e da seleção americana enfrentando clubes mexicanos no lado baixo da fronteira. Você leu bem. Era. Após várias tentativas e alguns resultados bem próximos, a sina caiu na última semana através do Dallas.

Dois clubes da MLS haviam chegado bem perto de acabar com essa história no ano passado. O Real Salt Lake chegou a estar vencendo o Cruz Azul por 3 a 1 perto do fim do jogo, mas os mexicanos conseguiram virar para 5 a 4 (mais detalhes sobre esse jogo aqui). O Seattle Sounders foi outro clube que provou desse gostinho ao abrir 2 a 0 sobre o Monterrey, eventual campeão da competição. Mas os Rayados viraram em menos de dez minutos e acabaram com o sonho dos Rave Greens.

Na última semana, o Dallas foi até a Cidade do México na abertura da fase de grupos da Concacaf Champions League e dominou a equipe reserva que o Pumas colocou em campo, já que os mexicanos estão priorizando o campeonato local. O domínio teve resultado aos 69 minutos de jogo, quando Márvin Chavez aproveitou rebote e marcou o único gol da partida. Com isso, os Hoops tornaram-se o primeiro clube norte-americano profissional a vencer uma partida oficial no México.

Essa vitória do Dallas marca um momento em que os clubes da MLS estão melhorando e muito seu desempenho em competições continentais. Na primeira temporada em que a Concachampions foi realizada (2007/08), a os times que representavam a liga norte-americana alcançaram apenas duas vitórias. Muito diferente dos 16 triunfos no ano passado, que foi marcado pelo Real Salt Lake chegando à final do campeonato. E esse ano já são 12 vitórias em apenas três rodadas (duas na fase de classificação e uma na fase de grupos).

O México e seus clubes ainda dominam o continente com certa vantagem sobre todos os outros países, mas a cada ano que passa a MLS e seus clubes vêm conseguindo reduzir essa diferença através da melhoria na estruturação na liga e no sistema de desenvolvimento de jovens. O último ato está perto e a US Soccer caminha no passo certo. É só não desviar.

Confira os resultados da 23ª semana da MLS:

New England Revolution 1×1 Houston Dynamo
NE: Ryan Cochrane (4’) / HOU: Bobby Boswell (90’)

Sporting Kansas City 3×1 Portland Timbers
SKC: Graham Zusi (25’, 40’), Soony Saad (72’) / POR: Bright Dike (81’)

Chicago Fire 1×1 DC United
CHI: Sebastian Grazzini (59’) / DC: Josh Wolff (73’)

New England Revolution 2×2 New York Red Bulls
NE: Milton Caraglio (15’, 37’) / NY: Dane Richards (53’, 87’)

Columbus Crew 2×1 Philadelphia Union
CLB: Emilio Renteria (37’), Andres Mendoza (51’) / PHI: Veljko Paunovic (42’)

Houston Dynamo 3×2 Real Salt Lake
HOU: Brian Ching (47’), Bobby Boswell (69’), Alex Dixon (90’) / RSL: Fabian Espindola (28’), Luis Gil (60’)

FC Dallas 0x1 Seattle Sounders
SEA: Mauro Rosales (15’)

Colorado Rapids 2×2 Chivas USA
COL: Caleb Folan (13’), Jeff Larentowicz (69’) / CHV: Juan Pablo Angel (36’), Laurent Courtois (86’)

Portland Timbers 2×1 Vancouver Whitecaps
POR: Diego Chara (2’), Jorge Perlaza (33’) / VAN: Camilo (88’)

Los Angeles Galaxy 2×0 San Jose Earthquakes
LA: Robbie Keane (21’), Mike Magee (90’)

Sporting Kansas City 1×0 DC United
SKC: Kei Kamara (19’)

Chicago Fire 2×0 DC United
CHI: Dominic Oduro (16’), Dan Gargan (69’)