Por Leandro Iamin e Paulo Junior

Nenhum time conquistou o maior campeonato de clubes da Europa em condições tão complexas quanto o Estrela Vermelha. E não estamos falando só de bola e campo, mas, principalmente, das ruas e da guerra civil que colocaria fim à Iugoslávia tal qual conhecíamos. O time sérvio faturou a Copa dos Campeões de 1991, e é o tema do Meu Time de Botão da semana, podcast da Central 3 que resgata grandes esquadrões da história.

LEIA TAMBÉM: Os esquadrões da Cortina de Ferro

Prosinecki, Mihajlovic, Savicevic, Jugovic e companhia eram parte de um time muito técnico, construído ao longo dos anos justamente para conquistar a glória máxima continentam. E a taça veio no meio de um tricampeonato iugoslavo e de uma tensão sem precedentes na região, especialmente às vésperas da semifinal contra o Bayern de Munique, uma partida decidida aos 45 do segundo tempo com um dos gols mais absurdos da Copa dos Campeões.

Para falar de todo o contexto histórico da Iugoslávia dos anos 80 e 90, o podcast, apresentado por Leandro Iamin e Paulo Júnior, chamou o professor Filipe Nobre Figueiredo, especialista em política internacional e apresentador do podcast Xadrez Verbal, também da Central 3. O Estrela Vermelha, também campeão do mundo naquele ano, é uma salada de bandeiras, referências e fragmentos sofridos de personagens que, com a bola rolando, eram verdadeiros artistas que tiravam do olfato da torcida o cheiro de pólvora e o sentimento de medo em tempos incertos.

Chamada Trivela FC 640X63