O Campeonato Brasileiro é muitas vezes criticado pelo seu baixo nível técnico. Não é uma avaliação equivocada, embora o Flamengo de Jorge Jesus o tenha elevado bastante na última edição. Mas, até por esse equilíbrio e pela imprevisibilidade, há também muita oportunidade para jogos emocionantes. A seguir, recordamos 13 do torneio que terminou no último domingo que foram malucos. Acha que faltou algum na nossa lista? A caixa de comentários é sua.

27/04 – primeira rodada – Flamengo 2 x 1 Cruzeiro, Maracanã

Era a primeira rodada do Campeonato Brasileiro e, durante um minuto, o Cruzeiro esteve vencendo o Flamengo. Uma boa bola enfiada por Fred permitiu que Pedro Rocha abrisse o placar. Ainda estávamos na era AJ (Antes de Jesus), mas Bruno Henrique já estava impossível. Empatou com uma cabeçada que aproveitou saída estabanada de Fábio do gol e virou ao completar a ótima jogada de Willian Arão pela direita. No fim, recebeu de Gabigol no contra-ataque e chutou para defesa de Fábio. Gabriel acompanhou a jogada e fechou o placar, e o maluco deste jogo é que, na época, ele era tratado como um confronto direto entre dois candidatos ao título. Acabou não sendo, digamos assim.

05/05 – terceira rodada – Grêmio 4 x 5 Fluminense, Arena Grêmio

O Fluminense vinha de partidas interessantes contra Goiás e Santos, mas ainda não havia vencido, ou empatado, e pontuar também é importante no Campeonato Brasileiro. Parecia impossível para o time de Fernando Diniz quando o Grêmio abriu 3 a 0 em 22 minutos. Gols de André, Everton e Jean Pyerre que exploraram a defesa esburacada que se tornou uma das marcas do trabalho do treinador nas Laranjeiras. Só que, antes do intervalo, Luciano finalizou bem mal – outra marca negativa do Flu de Diniz -, mas Yony González completou. Dois minutos depois, Júlio César se embananou todo na saída de bola e foi desarmado por Luciano que também descontou. E logo no começo da etapa final, Matheus Ferraz pegou rebote de Júlio César e empatou. E Pedro, de pênalti, virou para o Fluminense. A instabilidade da defesa tricolor, porém, voltou a entrar em campo ao permitir que Kannemann aparecesse na entrada da pequena área para empatar a peleja, que já estava maluca o suficiente. Mas eis que, aos 47 minutos, uma falta foi cobrada para a área a partir da intermediária. Yony González dominou o rebote no peito e emendou um chute de esquerda meio fraco, mas que passou por todo mundo. E o Fluminense venceu: 5 x 4.

18/05 – quinta rodada – Palmeiras 4 x 0 Santos, Pacaembu

O Palmeiras era o atual campeão brasileiro, e o Santos estava empolgado com o trabalho de Sampaoli. Ambos haviam somado dez pontos nas três primeiras rodadas e se esperava uma partida equilibrada no Pacaembu. Mas houve alguns empecilhos. O Palmeiras abriu o placar muito cedo, com Gustavo Gómez, em jogada de bola parada, e ficou confortável para jogar à sua melhor maneira sob o comando de Felipão: com rápidas transições entre a defesa e o ataque. Como esse também foi o calcanhar de Aquiles do time de Sampaoli, o encaixe foi muito desfavorável para o futuro vice-campeão brasileiro. Deyverson ampliou, Raphael Veiga ainda contou com a sorte para fazer 3 a 0 e Hyoran fechou o placar, em outro contra-ataque. Dudu deu três assistências.

26/05 – sexta rodada – Flamengo 3 x 2 Athletico Paranaense, Maracanã

Quem assistisse a este jogo teria dificuldades para imaginar que o Flamengo quebraria todos os recordes do Campeonato Brasileiro por pontos corridos com 20 clubes. Encontrou sérias dificuldades contra os reservas do Athletico Paranaense. Depois de Gabigol abrir o placar, de pênalti, levou a virada, com dois gols de Marcelo Cirino, um dos seus ex-jogadores. Apenas aos 45 minutos do segundo tempo, Bruno Henrique apareceu na segunda trave e empatou, de cabeça. E, aos 51, Rodrigo Caio subiu alto e cabeceou forte para garantir a virada, que deixou Abel Braga muito emocionado – e vaiado pela torcida.

05/08 – 13ª rodada – Grêmio 3 x 3 Chapecoense, Arena Grêmio

O Grêmio, ocupado com outras competições, aparecia apenas no meio da tabela, mas utilizaria todas suas armas, e a Chapecoense já dava sinais de que, desta vez, seria difícil escapar do rebaixamento. O prognóstico era de uma vitória mais ou menos protocolar dos donos da casa e estava sendo encaminhado quando Geromel abriu o placar, aos nove minutos. Everaldo, porém, fez uma boa jogada individual e empatou. Apenas um susto? O chute de fora da área de Everton, aos 26, parecia indicar que sim. No entanto, Gustavo Campanharo apareceu na primeira trave para completar o escanteio e Arthur Gomes desviou o cruzamento da direita para a virada dos catarinenses. Apenas a dez minutos do fim, Diego Tardelli raspou a bola de cabeça e arrancou o empate.

25/08  – 16ª rodada – Santos 3 x 3 Fortaleza, Vila Belmiro

O Santos era o líder do Campeonato Brasileiro e estava se divertindo. Empolgado, inspirado, abriu 3 a 0 no primeiro tempo na Vila Belmiro, com bonitos gols, e parecia pronto para golear o Fortaleza. Mas ninguém menos do que Wellington Paulista apareceu. Primeiro, descontou de pênalti. Depois, apareceu livre na pequena área para marcar o segundo. Nos acréscimos, quando parecia que o jogo havia se assentado e o Santos, apesar do susto, ficaria com a vitória, o centroavante cabeceou, a bola bateu na defesa e sobrou para Tinga assegurar um pontinho para os visitantes.

07/09 – 18ª rodada – Corinthians 2 x 2 Ceará, Arena Corinthians

Primeiro que, com Fabio Carille no comando, o Corinthians fazer dois gols já se caracterizaria como um pouco estranho. E ambos no primeiro tempo. Tudo bem que o primeiro foi contra, de João Lucas cabeceando contra a própria meta como se fosse um bom centroavante. Vagner Love ampliou, e Thiago Galhardo descontou. O Corinthians segurou a vitória até os 47 minutos do segundo tempo, quando o Ceará teve um escanteio a seu favor. Leandro Carvalho estava na bola, e 99% dos cobradores saberiam que a maior chance de marcar o gol de empate envolveria tacar a coitada para dentro da área e rezar. Leandro Carvalho talvez soubesse disso também, mas teve um lapso de irracionalidade que se tornou genialidade porque deu certo: mandou um chute com curva direto para o gol, e Cássio, que esperava o cruzamento, não conseguiu voltar a tempo.

08/09 – 18ª rodada – Cruzeiro 1 x 4 Grêmio, Independência

Foi na mesma rodada do gol olímpico de Leandro Carvalho, também de manhã, mas no dia seguinte. O sol batia no estádio Independência, e apareceram os sinais mais claros de que havia problemas entre o elenco do Cruzeiro e o treinador Rogério Ceni. Impressionou demais a facilidade com que os gols de Diego Tardelli, Alisson e os dois de Everton forma construídos. Em casa, a Raposa havia sido goleada, e Ceni diria que, se não houvesse mudanças drásticas, ele iria embora. Não houve mudanças drásticas, o ex-goleiro voltou ao Fortaleza, e o Cruzeiro caiu.

16/10 – 26ª rodada – Palmeiras 1 x 0 Chapecoense, Allianz Parque

A análise fria do resultado deste jogo apontava para como o Palmeiras havia sofrido para vencer a Chapecoense. Precisou de um gol, aos 54 minutos do segundo tempo de um jogo que teve muitos, muitos, muitos acréscimos, em parte pela expulsão de Gum. Mas foi um jogo um pouco estranho também. Deu 30 finalizações, 22 duas delas no segundo tempo, exigiu sete defesas de Riedi e colocou uma bola na trave. Dominou, criou, mas a bola não entrava. Até Dudu fazer uma linda jogada pela direita e Felipe Melo aproveitar a sequência para garantir a vitória.

31/10 – 29ª rodada – Goiás 2 x 2 Flamengo, Serra Dourada

O Flamengo estava em velocidade de cruzeiro em direção ao título brasileiro, mas o Goiás estava com aquela goleada por 6 a 1 atravessada na garganta. Jesus tinha alguns desfalques: Rafinha e Gérson começaram no banco de reservas, e César foi titular no lugar do lesionado Diego Alves. O primeiro tempo terminou sem gols, o que já mostrava que os Esmeraldinos haviam aprendido com os erros do jogo do Rio de Janeiro. Mas, em duas jogadas de escanteio, Gabigol e Rodrigo Caio fizeram 2 a 0 para o Flamengo. Em vez de se resignar, o Goiás foi atrás do empate. Tadeu segurou as pontas, como sempre, e a revelação Michael cruzou da esquerda para Rafael Moura completar, aos 32 minutos do segundo tempo. O jogo ficou louco mesmo quando César cometeu uma falta fora da área e recebeu o cartão vermelho de Ricardo Marques Ribeiro – que antes havia mostrado o segundo amarelo e, com checagem do VAR, o expulsou diretamente. Aos 49, Michael saiu nas costas da defesa e deu um toquinho na saída do jovem goleiro Gabriel Batista. E comemorou como o Cristiano Ronaldo.

09/11 – 32ª rodada – Palmeiras 1 x 1 Corinthians, Pacaembu

Não foi exatamente um jogo maluco. É discutível até se chegou a ser um jogo. Mas os minuto finais foram insanos. O Palmeiras dominou a partida no Pacaembu e teve algumas chances, mas não conseguia quebrar a defesa do grande rival. Aos 32 minutos, teve a melhor oportunidade possível, mas Gustavo Scarpa perdeu pênalti. Já nos acréscimos do segundo tempo, Michel Macedo pegou o rebote de um escanteio pela direita e, do bico da grande área, marcou um golaço para o Corinthians. Mas, dois minutos depois, também na sequência de um canto, a bola sobrou para Bruno Henrique encher a perna na pequena área e igualar o marcador.

13/11 – 34ª rodada – Flamengo 4 x 4 Vasco, Maracanã

Um efeito colateral da excelência do Flamengo de Jorge Jesus é que todo mundo ficou ávido a tentar derrotá-lo. O Vasco tinha a rivalidade, o orgulho e a lembrança da goleada que levou no primeiro turno para motivá-lo. E ainda era uma boa oportunidade para Vanderlei Luxemburgo mostrar serviço. E ele mostrou. Armou uma armadilha para o Flamengo, que abriu o placar no primeiro minuto com Éverton Ribeiro. Marrony e Yago Pikachu, de pênalti, viraram para o Vasco. Em cobrança de falta ensaiada, Rafinha cruzou rasteiro, e Danilo Barcelos mandou contra o próprio patrimônio. Mas o Vasco voltou a ficar à frente, com Marcos Júnior. Bruno Henrique, porém, não queria perder. Arrancou, tabelou com Arrascaeta e completou com classe. Depois, bem posicionado na segunda trave, fez 4 a 3 para o Flamengo. Já era uma partida valorosa do Cruz-Maltino, mas faltava o ponto para registrá-la. Veio bem no finzinho, com uma cabeçada de Ribamar.

24/11 – 34ª rodada – Goiás 4 x 3 Bahia, Serra Dourada

Outra chuva de gols, na mesma 34ª rodada. O Goiás fez 1 a 0 com Rafael Moura e o ótimo Michael ampliou, aos 12 minutos. Esse foi o placar do primeiro tempo. Mas, depois do intervalo, Gilberto foi lançado no contra-ataque e descontou para o Bahia. E entre os 26 e os 33 minutos, saíram três gols. Gilberto Santos ampliou de cabeça para o Goiás. João Pedro recolocou o Bahia na partida com um chutaço de fora da área, mas Marlone pegou a sobra na segunda trave e fez o quarto dos anfitriões. Ainda houve tempo para Fernandão completar o placar: 4 x 3.

.