O Independiente del Valle não passava nem perto de ser um dos campeões do continente neste ano de 2019. Chegamos a novembro e o clube do Equador conquistou a Sul-Americana, segundo torneio do continente, com uma vitória por 3 a 1 sobre o Colón, em Assunção. Mais do que isso, levantou a sua primeira taça na história. Isso mesmo: o clube conquista seu primeiro título internacional antes mesmo de ter um nacional na coleção. E foi recebido com festa por uma caravana numerosa nesta segunda-feira, em Quito.

A recepção ao time foi com muita festa. Foi feita uma caravana de dezenas de carros para irem atrás do ônibus que conduziu os jogadores e a comissão técnica do clube. A festa começou desde a chegada ao país, no Aeroporto Mariscal Sucre e foi até Sangolquí, no subúrbio de Quito.

O presidente do clube, Franklin Tello, destacou o momento de festa do clube. “Este é o seu momento, rapazes, agradeço a todos por seu esforço, e que aproveitem”, afirmou. Michel Deller, diretor do clube preto e azul, também reservou palavras de elogio ao elenco.

“Um grupo que trabalha com responsabilidade, com dedicação e com isso tudo é possível. Hoje Independiente é campeão sul-americano e está com o seu povo”, afirmou. “Temos um grupo espetacular e esse grupo merecia. Este triunfo é para todo meu país que demonstra que quando estamos unidos podemos conquistar muitas coisas”.

“Eu dou graças a Deus por poder desfrutar destes momentos. Quando cheguei, eu disse que estava fazendo isso para fazer história e ganhar títulos. Agora vamos à liga e espero que isso possa acontecer. Dá a oportunidade de obter um diploma em que trabalhamos duro. Sofremos demais, mas essa é a grande recompensa”, afirmou Cristian Dájome, de 25 anos, com quatro gols nesta edição do torneio continental.

“Estou contente com o grande trabalho que foi feito por toda a equipe dentro do clube. Esta conquista é de todos e acredito que merecemos ganhar. Fizemos uma grande partida, inesquecível”, afirmou Gabriel Torres. “Nunca traímos a nossa ideia [de conquistar o título], nos apegamos a nosso trabalho e agradecemos a Deus por podermos trazer a vitória”.

“Há um país [Equador] que deve crer no talento [dos seus jogadores], vamos parar de desculpas agora. Quando começamos a trabalhar, mostramos que podemos alcançar grandes coisas”, afirmou o treinador Miguel Ángel Ramírez, espanhol e comandante de um time que acabou por conquistar o continente.

Um feito raro conseguido pelo Independiente del Valle é o de ser campeão continental sem ter um título nacional na sua história. A lista na América do Sul é de outros times campeões da Sul-Americana: Cienciano, campeão da Sul-Americana em 2003; Arsenal de Sarandí, campeão da mesma Sul-Americana em 2007 (mas que conseguiu ser campeão nacional em 2012, ao levar o título do Clausura); e Chapecoense, campeã em 2016 depois do trágico acidente que matou quase o time todo.

#ENVIVO | La delegación de Independiente del Valle arriba al país tras proclamarse campeón de la Copa Sudamericana. Hinchas y jugadores emprenden caravana para festejar el título internacional

Publicado por El Comercio em Domingo, 10 de novembro de 2019