Quando entrar no gramado do estádio Victor Agustín Ugarte, em Potosi, o Flamengo colocará em jogo seu primeiro semestre. Uma eliminação deixaria o clube apenas com o estadual até maio. Além disso, representaria um feito negativamente histórico. Afinal, jamais um clube boliviano passou pela Pré-Libertadores.

Essa fase foi criada em 2005, quando Brasil e Argentina passaram a exigir mais de quatro vagas no torneio. Com 38 times, foi necessário criar uma etapa eliminatória extra, que oficialmente é a primeira fase da competição (a fase de grupos é a segunda, e o nome “pré-Libertadores” é informal). Foram sete anos, com sete equipes bolivianas tentando chegar aos grupos. E nenhuma conseguindo.

Apenas a Venezuela tem um desempenho tão ruim quanto o da Bolívia. Um pouco à frente, surpreendentemente, está o Uruguai. Apesar de ser o terceiro país com mais títulos da Libertadores, apenas uma vez um clube uruguaio passou da pré-Libertadores. E não foi Peñarol, Nacional ou Defensor. Foi o pequeno Racing, que superou o Atlético Junior da Colômbia em 2010.

Se o Real Potosí coloca a sina negativa da Bolívia em jogo, o Flamengo não precisa se preocupar com a brasileira. O Brasil é, com folga, o país com melhor desempenho em Pré-Libertadores, seja em aproveitamento na classificação, seja no aproveitamento de pontos. No entanto, a queda do Corinthians para o Tolima em 2011 tirou a invencibilidade brasileira em partidas e em classificações.

A eliminação corintiana serve de aviso para o Internacional. O Colorado pega o Once Caldas, que tem um título e carrega consigo o bom retrospecto da Colômbia no primeiro mata-mata de cada Libertadores. No ranking histórico das Pré-Libertadores (não contam a época em que a pré-Libertadores era um quadrangular entre dois times mexicanos e dois venezuelanos), os colombianos brigam com México e Argentina pela segunda posição.

Os argentinos não têm um desempenho tão bom nos jogos (55,5% dos pontos), mas são mais eficientes para decidir (classificaram-se em 77,8%). Isso se explica pelo fato de, dos nove duelos de pré-Libertadores com times argentinos, em cinco houve uma vitória para cada lado e em um houve dois empates, sempre com a vaga decidindo-se nos gols fora de casa ou nos pênaltis. Desses seis duelos, os argentinos conseguiram passar em cinco. A Colômbia é segunda em pontos, e terceira em classificações.

Ranking de classificações:

1) Brasil – 90% (9 classificações / 1 eliminação)
2) Argentina – 77,8% (7 / 2)
3) Colômbia – 75% (6 / 2)
4) México – 71,4% (5 / 2)
5) Chile – 57,1% (4 / 3)
6) Equador – 50% (4 / 4)
7) Paraguai e Peru – 42,8% (3 / 4)
9) Uruguai – 14,3% (1 / 6)
10) Bolívia e Venezuela – 0% (0 / 7)

Ranking de aproveitamento de pontos:

1) Brasil – 75%
2) Colômbia – 66,6%
3) México – 64,3%
4) Argentina – 55,5%
5) Equador – 45,8%
6) Peru – 42,8%
7) Chile – 38,1%
8) Paraguai – 35,7%
9) Uruguai – 28,6%
10) Venezuela – 23,8%
11) Bolívia – 11,9%