O Real Madrid conseguiu uma vitória enorme em cima do Atlético de Madrid, mesmo atuando no estádio do rival, o Wanda Metropolitano. Os 3 a 1 vieram com um time que jogou bem, aproveitou as chances e teve capacidade de fazer o jogo competitivo que os Colchoneros se acostumaram e, mais do que isso, ser também tecnicamente melhor. O resultado foi importante em diversos sentidos. Primeiro, para dar confiança à equipe dirigida por Santiago Solari. Depois, porque passa o Atlético, vira segundo colocado e passa a ser o perseguidor do Barcelona.

LEIA TAMBÉM: Estreia de Wu Lei pelo Espanyol foi vista por mais de 40 milhões de pessoas na China

O duelo colocava dois jogadores com passado recente no clube adversário. O goleiro do Real Madrid brilhou pelo Atlético, Thibaut Courtois; o atacante Álvaro Morata foi formado na base do Real Madrid, embora também tenha passado pela base do Atlético. Morata formou o ataque pela primeira vez, ao lado de Antoine Griezmann.

O início do jogo foi de pressão intensa do time de Diego Simeone, tornando o jogo muito desconfortável para o Real Madrid. Foram minutos iniciais de muita dificuldade para os blancos, embora não tenhamos visto chances de gols surgindo. O Real Madrid precisava encontrar alternativas para sair da pressão do Atlético. E conseguiu em uma bola parada.

O primeiro gol veio aos 16 minutos de jogo. Em uma cobrança de escanteio de Toni Kroos, Sergio Ramos subiu bem de cabeça, deu uma raspada na bola, que sobrou para Casemiro. O brasileiro deu um belo voleio para marcar 1 a 0 para os visitantes. Os Colchoneros, apesar de estarem atrás, mantinham o estilo: defesa compacta e acelerando quando tinha a bola, para resolver os lances em velocidade.

Assim, aos 25 minutos, o time acelerou o jogo para arrancar o gol de empate. Os merengues reclamaram de falta, que o árbitro não deu e Ángel Correa tocou para Griezmann, em posição legal, avançar e tocar por baixo de Courtois e marcar: 1 a 1 no placar. A torcida comemorou muito o gol do seu principal jogador.

O problema é que antes do fim do primeiro tempo, o brasileiro Vinícius Júnior conseguiu um lance determinante. Incomodando atuando na ponta esquerda, Vinícius recebeu uma bola aos 41 minutos, avançou, passou pela marcação e, já dentro da área, foi derrubado por José Giménez. O árbitro apontou a marca da cal: pênalti. O VAR revisou o lance e o árbitro nem precisou ver por si mesmo depois de receber a confirmação do penal. Sergio Ramos cobrou e marcou: 2 a 1.

O segundo tempo foi um jogo cheio de travas, sem muitas chances. Casemiro, autor do primeiro gol, voltou a jogar muito bem: fez cinco desarmes, o líder nesse quesito na partida. E olha que estamos falando do Atlético, um time que morde muito na marcação. O técnico Santiago Solari tirou Vinícius Júnior de campo para colocar Gareth Bale, aos 13 minutos do segundo tempo. E foi dele o gol decisivo do jogo.

O terceiro gol do Real Madrid saiu de uma jogada bem trabalhada. Começou com Bale interceptando um passe e tocando para o lateral esquerdo Reguillón, ainda no campo de defesa. Ele tocou para Karim Benzema, que fez o giro pelo meio e tocou para Luka Modric. O croata, então, colocou para Bale, em progressão. O camisa 11 recebeu e deu o seu chute característico, cruzado, sem chance para o goleiro Jan Oblak: 3 a 1. Mais uma vez, o galês entra para fazer um gol importante, como tem conseguido fazer com regularidade.

Com a vitória, o Real Madrid chega a 45 pontos, deixa o Atlético para trás, com 44, e vira o segundo colocado de La Liga. O primeiro é o Barcelona, com 50, que ainda joga no domingo contra o Athletic Bilbao e pode abrir ponto pontos de vantagem.