A história de Carmen Martínez Ayudo comoveu a Espanha. Na sexta-feira, a senhora de 85 anos foi despejada da casa em que vivera por meio século, no bairro de Vallecas, em Madri, por causa de uma dívida não paga de seu filho. O caso se espalhou pelas redes sociais, ganhando espaço também em veículos de imprensa espanhóis, até que, no sábado, veio o alento. O Rayo Vallecano, por meio de seu treinador, Paco Jémez, se comprometeu a pagar o aluguel de um apartamento para Carmen pelo resto de sua vida.

VEJA TAMBÉM: Aqui estão os 253 gols que fizeram de Messi o maior artilheiro do Espanhol

Quando, há sete anos, o marido de Carmen faleceu, o filho do casal, Luis Jiménez Martínez, passou a ter poder sobre o terreno em que a família morava desde 1964. Com dificuldades financeiras, planejando uma reforma na casa e tendo um pedido de empréstimo negado pelo banco, Martínez arrumou os € 40 mil de que precisava com um agiota, oferecendo a propriedade, avaliada em € 160 mil, como garantia. Sem conseguir pagar pelo empréstimo, a família recebeu a primeira ordem de despejo no mês passado. Entretanto, conseguiram permanecer graças à ação da entidade Plataforma dos Prejudicados pela Hipoteca. Até esta sexta.

Em maior ou menor escala, o contato dos espanhóis com a crise financeira é grande, então a empatia pela senhora foi inevitável. De uma forma ou de outra, as pessoas conseguiam entender a dor da mulher, e, dados o pano de fundo e todas as circunstâncias de seu despejo, a sensibilização pelo caso levou a história para todos os cantos.

Apenas um dia depois, no sábado, o elenco do Rayo Vallecano e a comissão técnica resolveram ajudar Carmen, que incumbiu seu neto Luismi de procurar pelo apartamento em que viverá. “Um térreo, mas que não tenha jardim, porque eu já não posso mais sair”, confessou a senhora, em entrevista ao jornal El País.

Qualquer clube, com dimensão local ou global, é o que é pelo apoio que recebe de seu torcedor ou de sua comunidade. O ingresso pago com sacrifício, as palavras de carinho e o grito de cobrança são o combustível dos times, que retribuem servindo como a válvula de escape dessas pessoas, seja qual for a vida que levam. O Rayo Vallecano nunca recompensará isso tudo com títulos e mais títulos de Campeonato Espanhol, mas demonstrou que não fecha seus olhos para o bairro que o cerca. Não há indício algum de que Dona Carmen seja torcedora franjirroja – e provavelmente não é mesmo -, mas isso não importa. A ação do clube faz o torcedor de fato se sentir observado. E a humanidade do ato ganha traços ainda mais fortes partindo de dentro do elenco em si.