A tarefa mais urgente de Claudio Ranieri, em seu último trabalho, no Fulham, era melhorar uma defesa que levava em média dois gols por partida. Não conseguiu. Agora, substituindo Eusebio di Francesco, identificou o mesmo problema na Roma, depois da sofrida vitória por 2 a 1, sobre o Empoli, nesta segunda-feira, pelo Campeonato Italiano.

LEIA MAIS: Ranieri volta para casa e tenta apagar o incêndio na Roma, enquanto Monchi sai pela porta dos fundos

A Roma abriu o placar com um bonito gol de El Shaarawy, de fora da área, mas levou o empate em cobrança de falta que Juan Jesus cabeceou contra as próprias redes. Com a testa, Patrick Shick restaurou a vantagem do time da capital, que teve Alessandro Florenzi expulso, a dez minutos do fim, e recorreu ao assistente de vídeo para anular o que seria o gol de empate do Empoli.

“Eu não esperava que jogássemos melhor porque era um time tenso, ansioso e ainda lidando com o os eventos recentes”, disse Ranieri. “Eles concederam a maior parte de seus gols saindo jogando de trás, então lhes disse para adotar uma abordagem mais segura. Eu tenho algumas ideias para reduzir o número de gols que concedemos, mas eu não lhes direi quais são, não vou entregá-las”.

Agora com 37 gols sofridos em 27 rodadas, a Roma tem a pior defesa entre os seis primeiros colocados – de longe: os mais próximos são Milan e Torino, com 23 cada. “Digamos que o refrão da minha passagem aqui é ajudar a Roma a levar menos gols porque não é possível um time como este conceder tantos gols. Temos qualidade para marcar cedo ou tarde, então precisamos nos concentrar em não sofrer gols”, analisou.

A vitória levou a Roma a 47 pontos, em quinto lugar no Campeonato Italiano. Em queda, a Internazionale está em quarto, último lugar da zona de classificação à próxima Champions League, com 50.