Ralf Rangnick foi procurado pelo Milan no final de outubro, pouco depois de Pioli ser contratado, não manteria Zlatan Ibrahimovic e não acredita que os resultados do clube rossonero são apropriados ao nível de investimento, mas que foi uma decisão “sábia e respeitosa” manter Pioli, embora não tenha certeza se a melhor em médio e longo prazo. O ex-diretor da Red Bull abriu o jogo sobre a tentativa abortada do Milan de contratá-lo, não apenas para ser treinador, mas também com plenos poderes para mudanças estruturais.

Segundo Rangnick, em entrevista à Gazzetta dello Sport, aproximadamente três semanas depois de confirmar sua saída da Red Bull, na qual era chefe de Esporte e Desenvolvimento após ter trabalhado nos projetos do Salzburg e do Leipzig, o Milan o procurou no final de outubro, “quando o time estava a três pontos da zona de rebaixamento”.

Foi, portanto, depois da chegada de Stefano Pioli para substituir Marco Giampolo, em 9 de outubro. Pioli empatou com o Lecce e perdeu da Roma em suas duas primeiras partidas pela Serie A à frente do Milan. Ao fim da nona rodada, em 27 de outubro, o gigante italiano era 14º colocado, a três pontos do Brescia, 18º, o mais bem colocado da zona da degola.

Após levar 5 a 0 do Milan no último jogo de 2019, o Milan melhorou com a virada do ano e terminou a Serie A em alta, com nove vitórias nas últimas 12 rodadas. O bom desempenho e os receios de membros da diretoria, como Paolo Maldini, de entregar as chaves do clube a Rangnick fizeram com que as negociações com o alemão fossem canceladas, e Pioli acabou sendo mantido no cargo.

“Eu quero deixar claro que nunca assinei contrato ou tive uma cláusula. Até três semanas atrás, eu ainda estava ligado à Red Bull”, afirmou. “O Milan foi o melhor time pós-paralisação pelo coronavírus, então mudar não teria sido sábio ou respeitoso. Pioli merecia manter o emprego e eu gosto do tipo de pessoa que ele é. Sempre focado nos objetivos nas entrevistas. Se foi a decisão certa para o Milan em médio ou longo prazo, é outra questão”.

Ibrahimovic foi um dos principais defensores de Pioli e, com contrato apenas até o fim de agosto, se especula que receberá uma nova proposta para permanecer. Rangnick acha estranho que o mesmo clube que o procurou esteja focado em um jogador de 38 anos.

“A pergunta é: por que o Milan recorreu a mim? O que eles queriam fazer? Talvez eles buscassem uma mudança de direção. Não é meu estilo focar em um jogador de 38 anos, não por talento, mas porque prefiro criar valor e desenvolver talento”, disse. “Faz pouco sentido para mim a ideia de depender de Ibrahimovic ou Simon Kjaer (31 anos), mas é apenas o meu jeito de ver as coisas, não é necessariamente certo ou errado”.

Para defender Pioli e criticar a diretoria, Ibrahimovic chegou a dizer que “nem sabia” quem era Rangnick. “Ele não estava errado. Nunca nos conhecemos”, respondeu o alemão que disse que sua primeira iniciativa seria estabelecer um objetivo concreto.

“Como a classificação à Champions League porque ninguém gosta de jogar a Liga Europa. Eles têm um exemplo perfeito a 30 kms de distância. A Atalanta tem um terço da receita do Milan, mas continua ficando à frente. É porque fazem investimentos inteligentes, têm uma das melhores bases da Europa. Não é apenas por causa de Gasperini, é um esporte de equipe”, disse.

“Também estou impressionado com o estilo de Antonio Conte na Inter, que é sofisticado, ativo e agressivo. Minha ideia de futebol sempre foi manter uma alta intensidade, pressão e contra-pressão. Todos os jogadores da nossa base (da Red Bull) crescem com isso agora”, acrescentou.

A ideia de que Rangnick fizesse mais do que apenas treinar o time, também comandando o mercado de transferências, por exemplo, encontrou resistência na Itália, que não costuma dar tantos poderes aos seus treinadores. Ao contrário da Inglaterra, por exemplo, onde moram os exemplos citados por Rangnick.

“Nos últimos 36 anos, eu tive mais sucesso onde pude ser mais do que um simples treinador, mas eu me considero parte de uma engrenagem mais ampla, com muitas peças diferentes. Eu busco as melhores pessoas, de comissão, nutricionistas, psicólogos e analistas de vídeo até o setor de observação”, afirmou.

“Essa abordagem funcionaria na Serie A, se houvesse apoio e uma visão compartilhada. Olhe para a Premier League. Jürgen Klopp não contratará um jogador que não tenha a mentalidade correta ou as características para se adaptar ao seu estilo de jogo. Pep Guardiola também. Eles querem jogadores que querem um treinador que possa provar exatamente o querem fazer com eles”, encerrou.

.