Ivan Rakitic está triste. Foi relegado a um papel periférico nesta temporada, com a chegada de Frenkie de Jong. Fez dez jogos na temporada, apenas um como titular, e somou um total de 255 minutos em campo. Longe de ser o bastante para o meia de 31 anos que foi peça importante do time do Barcelona nos últimos anos.

“Como minha filha se sente quando tiram um brinquedo dela? Triste. Eu me sinto igual. Tiraram a bola de mim e me sinto triste”, disse, em entrevista ao programa de Jorge Valdano que será veiculada na íntegra na quinta-feira. “Entendo e respeito as decisões do treinador, do clube ou de quem quer que seja. Dei muito nesses cincos no Barcelona e quero continuar aproveitando. Tenho 31 anos, não tenho 38 anos, e sinto que estou em meu melhor momento”.

Rakitic chegou do Sevilla, em 2014, e foi um dos pilares do meio-campo do time de Luis Enrique na conquista da Tríplice Coroa naquela temporada. Continuou como titular absoluto nos dois primeiros anos do trabalho de Ernesto Valverde, mas, atualmente, esquenta o banco para o meio-campo geralmente formado por Sergio Busquets, Arthur e De Jong.

Durante o mercado de verão, foi um dos jogadores especulados na negociação por Neymar, do Paris Saint-Germain, mas acabou ficando, embora siga muito ligado a uma transferência à Internazionale na imprensa europeia.