O goleiro Rafael viveu uma tarde de emoções distintas na abertura do Campeonato Italiano neste sábado, no estádio Mar’Antonio Bentegodi, em Verona. O brasileiro, que defende o Hellas Verona, foi protagonista da partida. Falhou em um gol da Roma, que empatou um jogo que o seu time vencia. Só que depois do gol, Rafael foi o principal responsável por evitar que o time sofresse o empate. Foram algumas boas defesas que impediram que o time ficasse com ao menos um ponto, já que os romanistas foram melhores durante todo o jogo. O empate por 1 a 1 teve o nome de Rafael escrito, especialmente por impedir que a Roma saísse com um resultado melhor. O jogador, formado no Juventus, pareceu lembrar o apelido do seu time de formação, o Moleque Travesso – embora já seja um veterano de 33 anos.

GUIA DA SERIE A:
– Parte 1: A campeã Juventus, a renovada Inter e os novatos
– Parte 2: Milan, Roma, Napoli e Lazio querem brigar no alto

A Roma veio com algumas mudanças em relação à temporada anterior. No comando do ataque, vestindo a camisa 9, Edin Dzeko, contratado junto ao Manchester City. Em uma das pontas, Mohamed Salah, egípcio que se destacou pela Fiorentina. Gervinho completou o ataque, com o meio-campo formado por Nainggolan, De Rossi e Pjanic.

Como esperado, o time romanista dominou a posse de bola, mas o Verona não esteve mal na partida. Com o veterano Luca Toni no ataque, se manteve atenta para aproveitar contra-ataques e as falhas do adversário. Marcou o seu gol no segundo tempo, em uma boa oportunidade de bola longa e um erro de marcação do time da capital. Em um cruzamento de Emil Hallfredsson da esquerda, o atacante Bosko Jankovic apareceu livre na segunda trave para cabecear para as redes, abrindo o placar, aos 16 minutos da segunda etapa.

O empate, porém, não demorou. Veio só cinco minutos depois. Florenzi, atuando improvisado como lateral direito, recebeu de Dzeko e arriscou de fora da área. A bola foi no canto, mas não foi tão forte assim. O goleiro Rafael acabou caindo tarde e a bola entrou. Falha de Rafael, que custou caro ao time. Mas ele se redimiria com a atuação nos minutos seguintes.

Foram cinco grandes defesas, algumas complicadíssimas, como um chute de Pjanic, aos 45 minutos do segundo tempo, ou a defesa já nos acréscimos na cabeçada de Nainggolan. Não teve jeito. Rafael, aos 33 anos, mostrou porque está no Verona desde 2007, vivendo inclusive os períodos de Serie B do time.

Fruto das categorias de base do Juventus, o Moleque Travesso da Mooca, Rafael tornou-se um dos grandes ídolo da torcida do Verona. Isso porque ele viveu os momentos mais duros do clube, na Lega Pro, equivalente à terceira divisão italiana. Subiu com o time para a Serie B e para a Serie A. Não por acaso, a falha no gol de Florenzi será perdoada pela torcida. A atuação do goleiro depois mostra as razões que fazem dele um símbolo desse time e dessa torcida.

À Roma resta lamentar ter encontrado uma barreira como Rafael, mas também precisa saber melhorar o seu desempenho ofensivo para não perder tantas chances. Talvez a entrada de Totti ajudasse, mas o técnico Rudi Garcia preferiu não usar o lendário e veterano camisa 10, que ficou no banco. Para quem quer brigar pelo título, será preciso ganhar jogos como esse.