Desde que a saída de Cristiano Ronaldo foi anunciada, as especulações sobre quem o Real Madrid irá contratar para o seu lugar são grandes. Um dos nomes mais falados é de Eden Hazard, estrela do Chelsea e da seleção da Bélgica. Segundo o jornal AS, o clube não quer pagar o preço pedido pelo clube inglês, de mais de € 200 milhões. Por isso, a solução pode ser caseira: dar mais protagonismo a Isco e confiar em Gareth Bale para ocupar a vaga de estrela do time que era do português.

LEIA TAMBÉM: Vinícius Júnior demonstrou uma importante maturidade neste início com o Real Madrid

O técnico Julen Lopetegui começa a montar o seu elenco para a próxima temporada e um dos que já se especulava que ganharia espaço era Isco. O meia cresceu de produção na seleção espanhola sob o comando do treinador. Se Hazard é uma opção cara demais, a opção de dar espaço a ele parece mais simples. Segundo o AS, o Real Madrid não contratará Hazard, a não ser que haja uma reviravolta. Esta é a decisão do momento, segundo o diário espanhol. A junção da dificuldade da contratação com a vontade de dar o espaço a Isco que ele quer, combinada com a confiança de Lopetegui nele, pode resolver a questão.

Em março, depois de marcar três gols contra a Argentina, em amistoso, Isco desabafou sobre a diferença do seu papel na seleção e no clube. “Na seleção tenho a confiança que talvez não tenha sabido ganhar no Real Madrid”, disse. Contratar Hazard, na avaliação do Real Madrid, diz o AS, seria trazer um jogador para uma posição que o clube está bem servido.

Isco jogou 53 jogos na sua primeira temporada no Real Madrid, 2013/14, com 53 jogos e 3.166 minutos. Em 2014/15, jogou também 53 partidas e com 3.763 minutos. Em 2015/16, fez 43 jogos e 2.627 minutos. Em 2016/17, 42 jogos, 2.339 minutos. Por fim, a temporada 2017/18 teve 49 jogos e 2.957 minutos. Sem Hazard, avalia a comissão técnica do Real Madrid, Isco pode ter os minutos e a sequência que quer. Ele tem a confiança de Lopetegui e conhece como o treinador pode fazê-lo render.

Isco, porém, pode não ser o único reforço interno que o Real Madrid pode ganhar. Marco Asensio também ganhou espaço na seleção espanhola com Lopetegui e foi um reserva nas últimas temporadas. Pode ganhar mais minutos e mais protagonismo em campo. Ganhou espaço com a saída de James Rodríguez. É outro que pode ser um reforço de peso, sem precisar do pagamento de milhões de euros ou uma apresentação badalada. Já está com o elenco.

Gareth Bale, do Real Madrid (Foto: Denis Doyle/Getty Images)

Isco e Asensio são excelentes jogadores e podem render muito bem, mas não são estrelas mundiais. Quem ocuparia esse espaço com a saída de Cristiano Ronaldo? Se especulou Neymar e Kylian Mbappé, mas são jogadores impossíveis de se tirar do Paris Saint-Germain no momento. O maior candidato é jogador que teve menos espaço do que gostaria na temporada passada: Gareth Bale.

O galês tem um currículo respeitável. Marcou um dos gols mais lembrados da final da Copa do Rei, driblando Marc Bartra por fora do campo antes de cruzar para a cabeçada mortal de Cristiano Ronaldo em plena prorrogação. Marcou dois gols, um deles um dos mais bonitos das finais da Champions League, contra o Liverpool, na decisão da última temporada. Aliás, marcou também em uma outra final de Champions League, além de uma assistência, na conquista da tão badalada décima taça do Real Madrid, em 2014. Também levou o seu país, Gales, à semifinal da Eurocopa, algo inédito na história do país, em 2016.

Bale marcou 83 gols em 147 jogos como titular do Real Madrid, além de 45 assistências. É um jogador mundialmente conhecido, uma estrela de 29 anos com enorme potencial de marketing. Um reforço com a cara do Real Madrid, mas que já está na capital espanhola. Mais do que isso, sabe que sem Cristiano Ronaldo por lá, ele vai jogar. Sempre.

Seus problemas de lesão foram limitadores do seu tempo de jogo nas duas últimas temporadas. Lesões musculares, especialmente na panturrilha, o tiraram de campo por longos períodos. Bale perdeu espaço e o lugar no time em jogos importantes. Quase não jogava na Champions League. Nos 540 minutos do clube merengue, ele só atuou em 99. Zidane não dava indícios de usá-lo e ele já sabia que dificilmente voltaria para o time. Assim, ao marcar os dois gols na final da Champions League, deixou no ar a possibilidade de deixar o clube.

Lopetegui tem em Bale um jogador capaz de ser um atacante goleador e mortal nos chutes de perto ou de longe e mesmo nas cabeçadas. É criativo e um dos mais rápidos do mundo. Foi o substituto de Ronaldo em algumas poucas partidas. Pode formar a dupla de ataque ao lado de Karim Benzema. Os dois podem crescer de produção sem Cristiano Ronaldo e com potencial para brilharem e não centralizarem a jogada para o português.

Bale tem potencial de ser decisivo como Ronaldo? É uma boa pergunta, mas há indícios para se pensar que sim. Em um mercado tão inflacionado, e logo depois da Copa, quando os jogadores se valorizam ainda mais, ter um jogador com esse potencial no elenco é um privilégio para poucos. O Real Madrid talvez tenha badalado, midiático e de enorme potencial técnico e não precisará gastar nada. Só precisa dar a ele o papel que ele, certamente, imagina que pode ter.


Os comentários estão desativados.