Por aquilo que fez até o momento, Paco Alcácer se coloca entre os negócios mais infelizes do Barcelona nos últimos anos. As expectativas não eram tão altas, é verdade, mas o artilheiro do Valencia não apresentou seu faro de gols no Camp Nou e parecia um mero estorvo no elenco, mal jogando nesta temporada. Neste sábado, entretanto, o camisa 17 foi escalado desde os primeiros minutos por Ernesto Valverde, em jogo difícil contra o Sevilla. Atuava ao lado de Luis Suárez quando o time tinha a posse de bola, enquanto recompunha pelo lado direito da defesa. E o esforço do espanhol valeu a pena. Ele acabou fazendo a diferença para os blaugranas, anotando os dois gols na vitória por 2 a 1 sobre os andaluzes. Encerrou um jejum em La Liga que durava desde abril.

Celebrando 600 jogos oficiais pelo Barcelona, terceiro jogador a atingir a marca (depois de Xavi e Iniesta), Lionel Messi parecia disposto a resolver. Bastaram um punhado de minutos para o camisa 10 fazer grandes jogadas e ameaçar o Sevilla. A pressão dos catalães era intensa no primeiro tempo, criando boas chances de marcar. Até que o primeiro gol saísse aos 22 minutos, em uma bobeira da defesa rojiblanca. Luis Suárez lançou da intermediária, Sergio Escudeiro errou na hora de cortar e acabou ajeitando para Alcácer, que só precisou tocar na saída do goleiro David Soria. Foi a chave para os anfitriões diminuírem um pouco mais o ritmo. O primeiro tempo terminou morno, com o Barça dominando a posse de bola, mas sem criar oportunidades. Luis Suárez, sobretudo, mantinha a fase ruim dos últimos jogos.

Na volta para o segundo tempo, enquanto a chuva apertava, o Sevilla cresceu. Passou a ser mais contundente no ataque, pressionando o Barcelona e ameaçando a meta de Marc-André ter Stegen. Luis Muriel dava boa mobilidade ao setor e era uma das referências dos andaluzes. O gol de empate, de qualquer forma, nasceu a partir de uma bola parada, aos 15. Cobrança de escanteio que Guido Pizarro se antecipou a Piqué para cabecear. O desvio, em direção ao chão, acabou não dando chance de defesa a Ter Stegen. O Barça precisava acordar de seu sono. Por isso mesmo, Valverde logo lançou mão da primeira alteração, preparada antes do tento, com Paulinho no lugar de Andrés Iniesta.

O Barcelona tinha nova energia. Logo na sequência, Piqué soltou uma bomba da entrada da área e acertou o travessão. Já o gol decisivo aconteceu aos 20. Outro que pena a se encontrar nesta temporada, Iván Rakitic cruzou da direita e Paco Alcácer se esticou para completar, antes que Soria pudesse sair. E o mais importante foi que os blaugranas se mantiveram acesos depois disso. Continuaram ameaçando mais, com Soria fazendo grande defesa em chute de Messi, enquanto Suárez sofria para superar suas dificuldades. Além disso, os anfitriões reclamaram de dois possíveis pênaltis, em lances que a arbitragem mandou seguir. Nada que prejudicasse o resultado.

O início do Barça no Espanhol é impressionante. O time chegou à décima vitória em 11 rodadas, mantendo os quatro pontos de vantagem sobre o Valencia, segundo colocado. O futebol nem anda tão fascinante quanto em outros tempos, mas o time tem uma regularidade enorme, especialmente na defesa, sofrendo míseros quatro tentos. Embalo importante para o confronto direto com os Ches, marcado para daqui a duas rodadas, no fim de novembro. A partida acontecerá no Mestalla.

Paco Alcácer, por sua vez, reafirma a sua utilidade. Não vai ser o salvador da pátria e o Barcelona já deve pensar em alternativas para o ataque. De qualquer forma, diante do péssimo momento de Suárez, ele pode ajudar. E a sua postura voluntariosa valeu bastante no Camp Nou. Ele deu certa sorte para garantir o resultado, é verdade, mas ganha moral independentemente disso. Contra um rival incômodo, como o Sevilla, garantir a vitória desta forma é fundamental.