Quem deve treinar os times

Leio tuitada do ótimo Maurício Noriega dizendo que quem deve treinar os times na base são os ex-atletas, para que se formem bons jogadores, e não robozinhos táticos. Tendo a concordar, e me lembro de texto do um pouco menos ótimo Dassler Marques, nosso ex-colaborador, que em seu blog diz que um dos motivos para a decadência do Inter é a base estar com ex-jogadores, que não seriam “preparados” para a função.

Nori e Dassler são de gerações diferentes, por idade me aproximo do primeiro, mas convivi muito mais com os jornalistas da do último. A maioria deles tem uma visão do futebol extremamente tática, com que não concordo. Por outro lado, acho que não se pode pegar qualquer ex-jogador e jogar lá – o que, diga-se, não é o que sugere o Noriega.

Não vale só para a base, mas também para o principal, principalmente em momento de falta de opções. Se Felipão cair, quem o Palmeiras contrataria, me perguntaram ontem? Acho que a melhor opção é um ex-jogador com boa cabeça, idéias novas e preparo. Alguém que não ganhe um salário milionário, tenha identificação com a torcida e com o grupo. Só que esse tipo de profissional tem que ser bancado pela direção, o que é impossível em um clube que não tenha direção, como o Palmeiras.

O preparo técnico e tático é importante, assim como a experiência de ter estado do outro lado. Nenhum dos dois, entretanto, é suficiente. Um professor de educação física com conhecimento tático rinusmicheliano levará baile dos chinelinhos em qualquer clube. E um ex-jogador que tenha o grupo “nas mãos” precisa entender porque seu time só leva gol de cabeça se tem dois zagueiros altos – por exemplo.

Nem para um lado nem para o outro. Ou melhor, para os dois.