Esta coluna já debateu essa questão uma vez: é difícil crer que, pelo menos aos olhos dos jogadores mais aficionados, a real continuação da série Championship Manager após CM 03/04 se deu mesmo com Football Manager 2005, dada a fragilidade de CM5, lançado já sem a participação da Sports Interactive (SI) na produção do game. Até por isso, o bom momento da época em que SI e Eidos dividiam o desenvolvimento do jogo ainda é bastante recordado pelos fãs mais “da antiga”.

Uma consequência disso é a recordação de ilustres desconhecidos (ou quase) que os mais “experientes” sempre levavam a seus times, confiantes (e muitas vezes certos) de que, em pouco tempo, estes estariam dando alegrias à torcida e assegurando sua permanência no cargo. Nas próximas colunas, vamos lembrar desses famosos jogadores e como eles são na “vida real”. A cada texto, serão analisados cinco jogadores. Nessa primeira leva, vamos retomar atletas do famoso CM 01/02.

Maxim Tsigalko (atacante)
Nacionalidade: Bielorusso
Versão: CM 01/02
Clube: Dínamo Minsk (Belarus)

Mito, goleador, maior craque da série CM. Não são poucos os apelidos deste atacante, que começa o jogo com apenas 18 anos no Dínamo Minsk. E com razão. Tsigalko é o matador número um da maioria dos jogadores de CM 01/02, destacando-se pelos excelentes índices ofensivos. Logo de cara, por exemplo, já possui uma finalização perfeita (nível 20, máximo do game), Destaca-se normalmente pela elevada média de gols (por vezes acima de um por jogo).

É recomendável que seja comprado rapidamente, já que o bielorusso não tarda a rumar para um grande europeu. Aos fãs da Premier League, um aviso: é um atleta que demora a conseguir visto de trabalho para extra-comunitários. Nos campos de verdade, atualmente com 26 anos, Maxim passou longe de ser a estrela que é virtualmente: defende o Savit Mahilyou, recém-promovido à primeira divisão da Belarus, e teve uma passagem para testes esquecível pelo Marítimo.

Tó Madeira (atacante)
Nacionalidade: Português
Versão: CM 01/02 (sem patch de correção)
Clube: Gouveia (Portugal)

Embora considerar Tsigalko o ídolo máximo da série CM possa gerar discussões entre fãs de outros “craques”, um jogador em especial é, certamente, o maior nome completamente virtual deste jogo. Trata-se do mítico Tó Madeira, atacante do Gouveia e goleador nato. Sua facilidade em assinalar gols, em ritmo semelhante ao do bielorusso, fez com que seu nome se tornasse famoso e sua procedência, muito procurada pelos mais aficionados pelo game.

No entanto, muitos devem até saber, Tó Madeira não existe como jogador profissional. Trata-se de um dos colaboradores da database do jogo, de nome Antônio Lopes. Ele chegou até a ingressar nas categorias de base do próprio Gouveia, mas sem sucesso, e durante a pesquisa lusitana, criou-se no jogo. Especula-se que mais dois amigos do “craque virtual” tenham sido colocados. A vida do matador foi curta, durando até a SI lançar os patchs de correção.

Sergey Nikiforenko (meia-atacante)
Nacionalidade: Bielorusso
Versão: CM 01/02
Clube: Shakhtyor Soligorsk (Belarus)

No CM 01/02, é interessante notar que não basta apenas ter um centroavante matador, mas é extremamente importante ter aquele meia-ofensivo com pinta de atacante, que saiba chegar com eficiência e não demore a se acertar com a equipe. E nesse perfil, Nikiforenko se encaixa como uma luva. Pode não ser o rei das assistências, mas quem se importa? Afinal, o jogador se notabilizou, na franquia, pelos gols e habilidade no drible, ao estilo Maradona. Em muitos saves, consagrou-se por médias de gol absurdas, ainda mais por não ser centroavante.

Tal como Tsigalko, por ser considerado extra-comunitário, não será fácil levá-lo a clubes do Reino Unido. É importante lembrar, ainda, que o melhor rendimento de Nikiforenko se dá quando atua como meio-ofensivo (MA C), com a seta de avanço para frente. Na vida real, o bielorusso chegou até a jogar pela seleção nacional, e teve carreira bastante diferente do que se poderia esperar no game. Nunca estourou pelo Shakhtyor Soligorsk, onde está desde 1998. Atualmente, está com 31 anos.

Dionisis Chiotis (goleiro)
Nacionalidade: Grego
Versão: CM 01/02
Clube: AEK Atenas (Grécia)

Encontrar um bom goleiro não é tarefa fácil em qualquer jogo manager. Para isso, uma dica é recorrer ao futebol grego, mais precisamente ao AEK Atenas, onde dá sopa o excepcional Dionisis Chiotis. Se nos gramados da realidade, o arqueiro defende APOEL, estreante na Liga dos Campeões, por onde se destacou, recentemente, ao ajudar os cipriotas a segurar o empate contra o Atlético de Madrid na Espanha, os virtuais, Chiotis deixa Cech, Buffon e Frey no chinelo.

Facilmente conduzido a outros clubes de ponta do futebol mundial no CM, o goleiro faz parte de uma curiosa leva de atletas conhecidos como “Super Gregos”, ou seja, jogadores nascidos na Grécia que tiveram, nas atualizações do game, seu nível técnico bastante evoluído (ou com maior facilidade em evoluir). Além de Chiotis, outro nome famoso dessa lista, como Alexandros Papadopoulos, também será relembrado por aqui.

Marajó (meia-atacante/atacante)
Nacionalidade: Brasileiro
Versão: CM 01/02
Clube: Castanhal (sem patch) / Vênus (com patch)

O Brasil também tem seus craques desconhecidos no CM 01/02. Desconhecidos pelo menos pelo que fizeram nos campos do país, já que, ao menos virtualmente, alguns são excepcionais. É o caso João Alberto de Abreu Silva, o Marajó. Curiosamente, tem sua data de nascimento estipulada em 18 de maio de 1981, embora seu registro na CBF date seu nascimento em 26 de junho de 1974 (seria um gato?). De qualquer forma, o jogador, um jovem de 20 anos no princípio do game, é uma de suas mais prolíficas promessas.

Pode atuar tanto atuando no posto de meia-atacante, no mesmo estilo de Nikiforenko, como dentro da área adversária (ainda que renda melhor no meio). Também tem problemas para ser contratado para as ligas inglesas, mas a insistência é válida. Chama a atenção, ainda, o fato de não ter uma finalização primorosa nas primeiras temporadas, mas, ainda assim, estufar bastante as redes. Tanto que é considerado um “bug não-resolvido” nos patches da SI.