O pedido de desculpas no site do Manchester City pode ter sido pouco convincente, mas colou. Ao menos no Vig Vrother Bárzea. O arrependimento de Tevez foi premiado com sua continuidade na casa. Ou não. Talvez sua permanência na casa seja explicada pela novela mexicana vivida pelo argentino. Afinal, depois de “Maria do Bairro” e “Café com aroma de mulher”, nenhum outro folhetim atraiu tanta atenção na América Latina.

Por outro lado, Fred ficou revoltado com sua saída da casa. Não pelo fato da premiação, a qual ele está pouco se ligando. Ou dos outros companheiros de casa, que não vão deixar lembranças. O problema mesmo é que ele foi eliminado tarde demais para curtir a Sapucaí.

Faltou o “bububú no bobobó”. Não viu nem a entrada da Mangueira. O camarote ao lado de estrelas como David Brazil esteve longe de sua alçada – para azar de Edmundo, o Animal. Com sorte, assistirá a alguma pancadaria na apuração da vencedora. Martinho da Vila e Neguinho da Beija Flor prometem um bom duelo.

No restante da casa, permaneceu a sensação de ressaca, ainda que por motivos diferentes. Adriano optou pelo estilo tradicional mesmo. José Mourinho jogou confetes congelados em Moscou e ainda teve que aguentar o empate na matinê moscovita. Já Terry permaneceu no camarote do San Paolo para ver o show do trio elétrico do Napoli, comandado por Cavani, Lavezzi e Hamsik. Porque na quarta-feira, tudo é cinzas.

Observação: Não entendeu nada? Então clique aqui e conheça o regulamento e os participantes do Vig Vrother Bárzea, o primeiro unreality show do futebol mundial.